Johto em Guerra

Ir em baixo

Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Seg 03 Mar 2014, 00:03


A jovem Teresa acordava em sua casa mais uma vez. Com somente 16 anos, a garota era órfã de pai e de mãe, vítimas da guerra que já durava 7 anos. A adolescente se lembrava de quando era pequena e de como estava ansiosa para iniciar sua jornada, o que na época aconteceria no ano seguinte. Esse sonho parecia muito longínquo no momento...

Respirando fundo, a jovem retirou as cobertas de cima de si e colocou seus pés sobre o chão. Desde a morte de Articuno, o tempo enlouqueceu. O frio dominou diversas regiões e New Bark era uma das mais afetadas. O chão era gelado e a garota não se importava. Desde a morte de seus pais, seu coração estava mais gelado. A guerra mudara diversas pessoas, inclusive a pequena e cheia de sonhos Teresa. Ao sair da cama, o lençol abandonou o corpo jovem. As diversas tatuagens de nuvens espalhadas pelo corpo se tornaram tocáveis pela brisa fria, até que a morena se cobrisse com um roupão. Marcas em homenagem a Articuno e em homenagens a todos os voadores do mundo Pokémon. Por eles Teresa rezava todas as noites pelo dia em que eles veriam o solo verde novamente e não mais vermelho de sangue.


Última edição por Alice em Qua 25 Maio 2016, 21:14, editado 1 vez(es) (Razão : arrumando imagem da personagem)

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Seg 03 Mar 2014, 00:40

Em uma cidade quase totalmente abandonada e destruída pela guerra e constantes tempestades de neve que assolavam toda a região desde a queda da ave do gelo, uma jovem despertava para um mundo consumido pelo ódio e dor.

Seus sonhos e esperanças de se tornar mais uma treinadora viajando inocentemente pelo mundo em busca de insignias e novos amigos havia a muito ficado para trás e com a morte de seus pais em batalhas, parecia que até mesmo a alegria havia abandonado Teresa, que agora se encontrava sozinha em sua fria e vazia casa. Mal sabia a jovem que não muito distante de onde estava, uma jovem alma sofria tanto, ou até mais do que ela com aquela guerra.

Com os pensamentos longe em um sonho de ver essa guerra chegar ao fim e a paz retornar, um sonho que era compartilhado por muitos, mas cada vez mais impossível de se manter vivo, Teresa ia até a janela de seu quarto, onde a vista de uma batalha acontecendo na passagem que ligava Kanto e Johto não surpreendeu a jovem.

Sua cidade já havia sido deixada para trás pela guerra e agora era usada como refugio por uns poucos sobreviventes e refugiados que tentavam se esconder da guerra. Como sempre, todos estavam entro de suas casas, mas ao olhar mais atentamente, Teresa avistou um pequeno vulto marrom avermelhado se movia lentamente e se destacava no branco da neve. Não era possível ver muitos detalhes, mas o caminhar cada vez mais lento da criatura deixava claro que suas forças estavam no fim.....

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Seg 03 Mar 2014, 12:20

Teresa se aproximava da janela. O vento frio não lhe perturbava mais. Seu roupão dançando ao ritmo da brisa, tentando dar um pouco de vida à casa deserta e entristecida. Teias de aranha se acumulavam pelo teto, contudo a garota não se importava. Diversas lâmpadas estavam queimadas, porém trocá-las era inútil. Há muito tempo a moradia não sabia o que era energia elétrica. Olhando para as outras casas, a morena podia perceber refugiados se aquecendo do frio. Ela continuava sozinha...

O som e a visão de uma batalha no cruzamento de Johto para Kanto não era uma novidade e a morena quase optou por entrar em seu quarto. Entretanto a jovem avistou algo que parecia um Pokémon. Não era possível distinguir qual, mas dava para perceber que ele não estava em boas condições. Mais um que padeceria? Possivelmente.

Por um segundo a garota sentou-se em sua cama. Estava cansada de tentar ajudar pokémons que sempre morriam em seus braços. Entretanto, o relógio mal contara 5 segundos e a morena já se erguia mais uma vez, pegando um cobertor, umas bolachas e correndo para a rua. Ninguém merecia morrer no frio e sozinho. Então, se ela não conseguisse salvá-lo, pelo menos lhe daria um alento.

Ainda de roupão, Teresa caminhava em direção às árvores que rodeavam sua cidade, em busca do pokémon desconhecido. Seu chinelo afundava na neve e sua meia ficava encharcada. Suas pernas protestavam a falta de uma calça e seu roupão lutava para mantê-la aquecida. Aquele pokémon não parecia estar muito longe e, com um pouco de sorte, conseguiria levá-lo para dentro de casa e aquecê-lo.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Ter 04 Mar 2014, 00:02

Mesmo estando com roupas mais apropriadas para um clima quente que era o tipico daquela região de Johto, Teresa já não se importava mais com o frio que assolava sua cidade ha tempos e parecia não ter mais fim. A visão que tinha da janela não ajudava em nada a animar a jovem, que ao ver mais um pokemon se arrastando pela neve, decidiu voltar para a sua cama.

Por um tempo Teresa tentou tirar aquela imagem de sua mente, já estava cansada de tentar ajudar pokemon feridos da guerra que simplesmente morriam em seus braços ou faleciam antes mesmo que a jovem chegasse perto mantinha ela no "conforto" de sua casa. Mas em menos de 10 segundos a garota se levantava e ia para fora atrás do pokemon.

As chances de conseguir salvá-lo eram como sempre muito baixas, mas Teresa queria tentar e se não conseguisse, ao menos tentaria dar algum conforto a ele em seus momentos finais naquele mundo frio que a guerra tinha criado.

Assim que saia de sua casa o frio a fez parar por alguns instantes, mas logo a vontade de ajudar aquele ser ferido a fez continuar andando. Mesmo com cada célula de seu corpo protestando por causo do frio e da falta de roupas apropriadas para aquele tempo, Teresa continuava avançando, até que finalmente conseguiu chegar até onde o pokemon estava.

Caído na neve sem mais forças ou talvez só vontade de avançar, o pequeno pokemon que Teresa agora percebia ser um raro e valioso Larvitar parecia não ter nenhum ferimento mais sério que um pequeno corte nas costas. Talvez o pequeno pokemon só estivesse exausto ou tivesse algum ferimento interno. Isso Teresa só descobriria com o tempo, coisa que o pokemon não teria se continuasse caído naquela neve sem ajuda.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Seg 10 Mar 2014, 01:59

Teresa se aproximava do pokémon se acreditar em seus olhos. Larvitars já eram raros antes mesmo da guerra... Depois que a luta começou era quase impossível ver um daquele exemplar... Sacudindo o rosto, a garota abandonava os pensamentos de incredibilidade, dando espaço para os mais práticos. Estava frio e, por mais que ele não aparentasse estar muito machucado, o frio poderia matá-lo enquanto estivesse tão fraco. Teresa se ergueu e colocou o coberto embaixo dos braços. Os dedos envolveram a cintura do pokémon, abrindo espaço entre a neve e a morena tentou erguê-lo.

Só tentou...

Sentada na neve e respirando com dificuldade, a morena lembrava-se sobre o que sabia do pokémon e, principalmente, de seu peso. Nunca conseguiria levantá-lo... Olhando em volta apressada e rezando para que ninguém os visse, a adolescente, ainda ofegante, esticava a coberta no chão ao lado do pokémon ferido, cavando a neve ao lado dele para empurrar parte do tecido para baixo dele. Depois do feito e sem saber de onde ainda tirava forças, o empurrou para cima da coberta. Se não poderia levantá-lo, a neve a ajudaria a arrastá-lo.

Os pequenos metros até a casa se assemelhavam a quilometros enquanto puxava o cobertor com Larvitar até a casa. Quando chegou nos degraus, a morena não teve muitas escolhas. Implorando por perdão e aproveitando que o pokémon já estava desmaiado, a garota pegou as 4 pontas do cobertor, embrulhando o monstrinho por completo e o puxou pelos três degraus escada acima. Ainda rezando para que ninguém a tivesse visto e fechando a porta rapidamente, a garota vestiu um blusão e uma calça as pressas e, imediatamente depois, enrolou Larvitar em um cobertor seco. Avaliando o pokémon, ele parecia fisicamente bem, exceto por um arranhão nas costas que não era letal. Ainda se movendo com agilidade, a garota esquentou uma sopa enlatada para depois, mais calma e com uma colher, tentar levar o caldo para a boca do pokémon. Uma comida quente poderia reanimá-lo. As meias ainda úmidas faziam a garota tremer, entretanto ela queria primeiro se certificar de que Larvitar acordaria antes de trocá-las.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Dom 16 Mar 2014, 02:21

Sem conseguir acreditar que estava diante de um dos pokemon mais raros e procurados desde antes que a Grande guerra tivesse começado, Teresa ficou um tempo esperando para ver se não estava tendo uma alucinação. Após alguns segundos a garota pareceu finalmente se convencer que aquele pokemon era real e que precisava de cuidados, pois mesmo que não parecesse estar muito ferido, ficar muito tempo naquele frio poderia matar facilmente um pokemon do tipo pedra como aquele.

Tentando ajudar, Teresa passou seus braços em volta de pequeno pokemon e tentou ergue-lo para carregar até a sua casa, mas aquele pokemon era no minimo duas vezes mais pesado com o que aparentava, então a garota não conseguiu nem tirá-lo da neve antes de ter que largá-lo de novo. Pensando rápido para encontrar alguma solução, Teresa colocou o cobertor que carregava na neve e logo rolava Larvitar para cima do cobertor. Ao fazer isso, o pokemon acabou virado de barriga para cima e enquanto se preparava para puxa-lo, Teresa notou que ele segurava algo pequeno e escuro, mas como estava com pressa para tirá-lo do frio a garota não pode ver muitos detalhes do item.

Com dificuldade, embora não tanta se Teresa estivesse fazendo isso em um dia sem toda aquela neve, logo eles finalmente chegaram na casa da garota, onde esta se deparou com mais um problema, os degraus. Se sentindo péssima com o que iria fazer e agradecendo muito que Larvitar não estivesse acordado para se lembrar disso, Teresa pegou as quatro pontas do cobertor e começou a puxá-lo como se fosse uma sacola cheia de roupas sujas, batendo acidentalmente no chão a cada degrau que subia.

Já quase sem fôlego depois de arrastar o Larvitar, Teresa colocou uma roupa mais quente o mais rápido que conseguiu e depois de verificar rapidamente o pequeno pokemon que agora estava sob seus cuidados, a garota foi até a cozinha, onde um tempo record, para alguém que havia passado dias apenas tentando se manter aquecida em uma casa vazia, Teresa encontrou e esquentou uma simples sopa enlatada.

Com a comida quente em um pote que manteria melhor a temperatura da sopa, Teresa voltou até a sala em que Larvitar estava. Ajeitando ele no  cobertor, Teresa pegou um pouco de sopa em uma colher e tentou dar ela para o pokemon. No começo parecia que aquilo não daria certo, pois o pokemon não parecia reagir, mas depois de umas três colheradas, Larvitar começou a engolir a sopa, sem porem abrir os olhos mais do que o suficiente para olhar para Teresa e fechar os olhos de novo, por medo.

No colo da garota Larvitar tremia muito, de medo e frio, mas parecia que ele estava faminto demais para recusar a sopa e depois de pouco tempo, o pote já estava completamente vazio e ao perceber isso, Larvitar voltou a dormir, um pouco melhor do que antes, mas ainda tremendo muito de frio. O que Teresa faria com um pokemon tão valioso, mas que parecia ter menos coragem que muitos Pidgeys que antes voavam pela cidade?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Sab 22 Mar 2014, 01:39

Terei de bloquear essa minha rota.

Com o começo do trabalho, não terei tempo de narrar ela.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Qua 25 Maio 2016, 21:28

off: depois de 14 meses, Teresa está de volta \o/


Teresa mirava o raro Pokémon já praticamente esquecida do item que ele carregava e que ela não conseguira distinguir. Ele ainda tremia, porém se alimentara bem e isso já era um ponto positivo. Ficar com ele por perto era perigoso... Certamente teria alguém seguindo os rastros dele... Por outro lado, ele parecia tão fraco, assustado e indefeso, que a morena não tinha coragem de simplesmente mandá-lo embora.

Sentindo os pés gelados e vendo o Pokémon pedra tremendo, a morena subiu as escadas para o andar superior, onde ficava seu quarto. A troca de meias foi rápida e a adolescente logo descia equipada com todas as cobertas que possuía (não eram muitas, mas serviram até o momento) e o fino travesseiro, além de usando um grosso casaco, seu bem mais precioso.

De volta a sala, a jovem esticava o cobertor que antes cobria Larvitar no chão, mantendo o Pokémon no centro. Satisfeita com o resultado, a jovem esticou os lençóis e demais cobertores sobre o Pokémon e, com se travesseiro, deitou ao lado dele. Teriam de se aquecer juntos. Ainda era cedo e Teresa precisava sair para procurar algo para comerem, mas tinha medo de deixar o Pokémon sozinho e ele acabar morrendo de frio. Assim ,Teresa puxava as laterais do casaco com as mãos para envolver Larvitar em um abraço, tentando tudo o que estava ao seu alcance para esquentá-lo.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Qui 26 Maio 2016, 00:43

off: uhuuuuu \o/ go go, continuar a guerra )o)



Conhecendo bem os riscos de se ter um pokemon, ainda mais um tão raro e potencialmente poderoso como o Larvitar, Teresa se mantinha atenta a qualquer som incomum, enquanto voltava bem rápido para o seu quarto, para buscar as cobertas que tinha, além de tirar as meias molhadas que já estavam começando a congelar nos pés da garota. Colocando também seu bem mais precioso, um pesado casaco de boa qualidade, Teresa logo voltou para perto do pokemon terrestre e sem perder mais tempo, o cobriu e se deitou perto dele da melhor maneira que conseguiu, esperando conseguir aquecê-lo com o calor de seu corpo.

Depois de alguns minutos o pokemon começou a parar de tremer, o que animou Teresa, já que a maior parte dos pokemon que ela tinha tentado ajudar nunca tinha conseguido voltar a se aquecer, morrendo de frio ou por causa do ferimento que carregava. Depois de um tempo Larvitar já tinha parado de tremer por completo e agora estava apenas dormindo tranquilamente nos braços da garota, que agora se via dividida entre ir procurar por comida, ou continuar ali garantindo que o pokemon ficaria aquecido...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Dom 29 Maio 2016, 17:26

A barriga de Teresa protestava de fome, porém a adolescente ainda se recusava a sair do lado do Pokémon fragilizado. Não seria a primeira vez que dormiria com fome... A guerra não era gentil com jovens órfãos...

Larvitar dormia mais tranquilo ao lado da garota e isso já parecia ser o suficiente para ela. Só Arceus poderia saber o destino daquele Pokémon e a morena não tinha muito interesse em pensar nisso. Já perdera a conta da quantidade de Pokémon enterrados no seu jardim, todos perdidos. A fome teria de esperar, mas ela não estava disposta a sair daquela cama improvisada enquanto não tivesse total certeza que Larvitar não teria uma recaída. Pela primeira vez talvez conseguisse salvar alguém...

Na manhã seguinte, caso ele ainda estivesse vivo, talvez estivesse forte o suficiente para ficar sozinho por algumas horas e talvez estivesse acordado o suficiente para ouvir orientações e permanecer escondido.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Qua 06 Jul 2016, 00:08

off: sorry a demora, eu não vi que você tinha respondido x.x



Com Larvitar parecendo estar melhorando e se sentindo muito mais confortável deitado com ela, Teresa se recusava a sair dali, mesmo com a fome já começando a incomodar e com ela não estando muito confortável naquela posição, duas coisas que podiam ser facilmente ignoradas na tentativa de manter pelo menos aquele pokemon vivo. Já era animador aquele pequeno Larvitar ainda estar vivo, superando os outros que tinham aparecido machucados naquela cidade, mas ainda assim Teresa se mantinha atenta a cada som que o pokemon fazia, ficando assim até finalmente cair no sono.

Apesar de ter acordado umas duas vezes assustada, apenas para descobrir que tinha sido o Larvitar que tinha se mexido um pouco durante o sono que tinha a acordado, Teresa teve uma noite de sono tranquila, acordando com seu estômago protestando alto por comida. No começo a nativa de Johto demorou um pouco para perceber, concentrada em se esticar um pouco e tirar a dormência dos braços, mas assim que se virou, ela percebeu assustada que Larvitar não estava mais na cama improvisada.

Isso fez com que ela levantasse as pressas, pensando em todas as piores coisas que poderiam ter acontecido com o pokemon, mesmo que algumas não fizessem o menor sentido, Teresa começou jogando as cobertas para o alto, depois indo olhar em cada cantinho da sala, até mesmo onde dificilmente o pokemon caberia. No momento em que decidiu ir correndo verificar na cozinha, ela quase caiu, fazendo um esforço enorme para não tropeçar no pequeno pokemon que estava voltando da cozinha, curioso e com medo do que poderia estar causando toda aquela agitação.

Era óbvio que ele já estava se sentindo bem melhor e apesar de ainda estar cansado e bem incomodado com o frio, ele parecia ter percebido que Teresa estava com fome, pois em suas mãos estava uma das latas de sopa do armário. O Larvitar parecia ter tentado achar um jeito de preparar aquilo, mas tudo o que ele conseguiu fazer foi amassar um pouco a lata e agora ele olhava para ela, parecendo um pouco temeroso com o que ela faria a seguir...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Sab 09 Jul 2016, 20:57

off: tudo bem ;)


Teresa despertara assustada ao não localizar o Pokémon na cama improvisada. Rapidamente a morena começou a revirar a sala, em busca do raro monstrinho. Antes de procurar no andar superior, a jovem correu para a cozinha, quase tropeçando em Larvitar, que a mirava assustado.

A jovem respirava com dificuldades, recuperando seu controle e tentando não assustar ainda mais Larvitar. Sua respiração quente condensava no ar frio, criando uma pequena nuvem branca a sua frente. Os movimentos tentavam ser calmos, mas acabavam saindo rígidos e desengonçados, já que seus músculos estavam cansados pela noite inquieta do pequeno e pela posição desconfortável.

- Está com fome? - Ela perguntava apontando para a lata enquanto se ajoelhava de frente para ele. De joelhos estaria mais próxima de seu rosto, mas também estaria mais vulnerável, o que poderia deixá-lo mais calmo. Indicando a lata, a morena a pegou, ainda sem se levantar. - Podemos esquentar essa sopa e comer juntos, o que acha?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Dom 10 Jul 2016, 20:27

Se recuperando do susto, mas não muito bem da noite mal dormida no chão, Teresa logo se ajoelha em frente ao pequeno e machucado pokemon para tentar falar com ele sem assustá-lo. Larvitar deu um pequeno passo para trás, ainda um pouco temeroso com o que aquela humana faria, mas depois de ouvir a proposta da morena e de sua barriga roncar alto, ele logo entregou a lata de sopa com um sorriso tímido no rosto, aceitando a proposta.

Enquanto esquentava a pequena lata de sopa, Teresa teve que ter muito cuidado, pois o pequeno Larvitar a estava seguindo de perto, quase grudado em suas pernas enquanto observava tudo o que ela fazia, parecendo muito curioso e fascinado com tudo o que ela fazia. Quando a sopa ficou quente, Larvitar se sentou comportado, como se já estivesse acostumado a ser alimentado ele se comportou muito bem, chegando até a tomar menos sopa e insistindo que Teresa comesse mais.

A refeição acabou rapidamente e antes que Teresa pudesse fazer alguma coisa, Larvitar pegou a lata, as colheres e saiu correndo para a cozinha, sentindo o machucado incomodar, ele logou jogou tudo na pia, antes de voltar para a sala. Era óbvio que ele já estava se sentindo muito melhor, ainda mais quando olhou para fora e apontou animado para que Teresa também visse que toda a neve estava derretendo, sumindo tão rápido quanto tinha surgido...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Ter 19 Jul 2016, 20:11

Teresa mirou o lado de fora da janela suspirando de forma pesada. As mudanças climáticas provadas pela morte de Articuno deixavam tudo muito confuso. Para as árvores a mudança era cruel e cada vez menos frutos eram encontrados.

- Bem, precisamos aproveitar essa mudança. - A morena dizia se aproximando da janela e mirando o exterior. Não tinha muita comida enlatada em casa e precisaria providenciar mais recursos, ainda mais agora que eram duas bocas para alimentar. Em pouco tempo teria de ir para a cidade também, ver se encontrava algum alimento por lá.

- Mas antes, o que acha de cuidarmos desse machucado? Eu não tenho muita coisa por aqui, mas devo ter um pouco de álcool para limpar e umas pomadas para evitar uma infecção. Uma meia e um pedaço de corda de varal devem manter ele protegido também. Vai arder... Mas vai ajudar a curar mais rápido. O que me diz?

A jovem falava com voz macia, tentando explicar o que tinha de material, vantagens e problemas durante o curativo. O que ela menos queria era que a ferida de Larvitar infeccionasse. Contudo, ele era um Pokémon forte e não seria inteligente forçá-lo a deixá-la cuidar da ferida contra a vontade dele. Depois o convidaria a procurar por frutas, sementes e raízes comestíveis na floresta, caso ele se sentisse bem o suficiente para ajudá-la.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Qui 21 Jul 2016, 01:56

A mudança repentina de temperatura pegava Teresa de surpresa, mais uma vez, mas para o pequeno Larvitar aquilo pareciam ser apenas boas noticias, que estava ansioso para ver os últimos montes de neve derretem sob o sol quente. Enquanto Larvitar já aproveitava o sol que entrava por uma das janelas para se esquentar mais, Teresa já pensava no que iria fazer agora que o clima mudou, decidindo aproveitar para conseguir mais comida para os dois.

Mas antes de sair para ver se tinha sorte procurando nos arredores por comida, a jovem de Johto decidiu dar uma olhada melhor no machucado do Larvitar, fazendo com que ele ficasse um pouco preocupado sobre a parte de que iria arder, mesmo que tivesse concordado em deixar ela olhar seu machucado. O pokemon foi seguindo Teresa enquanto ela juntava tudo o que ia usar, curioso com tudo, até chegar o momento em que o tratamento realmente iria começar.

Larvitar ficou sentadinho quietinho, mas visivelmente nervoso com o que aconteceria, só realmente deixando Teresa começar depois que ele voltou para a sala pegar uma pequena bolsinha de pano preto, que ele ficou abraçando o tempo todo em que Teresa ficou avaliando o corte. Parecia ter sido feito por algum ataque ou lâmina que tinha pego de raspão, mas parecia já estar começado a fechar sem problemas, então depois de limpar um pouco e fazer um curativo improvisado, parecia que tudo ficaria bem para o pokemon.

Teresa tinha ficado impressionado com o quanto aquele pokemon era bem comportado e educado, se oferecendo até para ajudar a limpar a área que eles tinham usado para fazer o curativo, fazendo ela se perguntar de onde ele tinha vindo, se tinha alguém procurando por ele e como ele tinha parado ali, sozinho...

Não querendo ficar se preocupando com coisas que ela não podia controlar, Teresa logo se preparou para sair de casa, fazendo apenas uma pausa para verificar se tinha algum perigo e naquele momento percebeu algo que a fez parar. Ter Larvitar para ajudar a procurar comida seria uma boa ajuda, mas será que valeria o risco de expô-lo assim e "mostrar para todos" o pokemon que estava com ela?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Sab 23 Jul 2016, 20:08

Após cuidar de Larvitar, Teresa enterrou as inúmeras dúvidas que lhe surgiam, optando por fazer algo mais produtivo primeiro. Precisavam de comida e não havia como prever quanto tempo teriam sem nevasca. O melhor era aproveitar o tempo para estocar algo comestível e, quando estivesse impossibilitada de sair, fazer as perguntas ao Pokémon pedra.

Contudo, antes de abrir totalmente a porta, a jovem voltou a fechá-la, encostando a testa sobre a madeira e tentando decidir se era bom deixar o Pokémon sair, correndo o risco dele ser visto por alguém. Os olhos caíram sobre Larvitar, enquanto as dúvidas reinavam em sua mente.

- Por precaução... - A morena disse se afastando correndo e voltando com um blusão um pouco fino, mas que tinha um capuz. Estava ficando com poucas roupas, mas ainda poderia emprestar aquela peça. - Como não sabemos se você foi seguido até aqui, é melhor você usar isso. Não irá resolver o problema, mas pode atrasar um segundo ou dois para qualquer perseguidor te reconhecer. - Teresa explicava esticando a peça para o Pokémon vestir. - Aliás, você sabe se tinha alguém te seguindo?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Seg 25 Jul 2016, 19:49

Chamando a atenção do pequeno Larvitar, que ficava olhando da porta para a jovem, tentando entender porque tinham parado e o motivo dela ter ficado tão preocupada, Teresa passava um bom tempo pensando nos riscos que correria saindo com aquele pokemon sem qualquer discrição, também vendo ricos em deixá-lo sozinho na casa.

Deixando o pokemon ground ainda mais curioso e confuso, teresa subiu correndo e voltou com um casaquinho bem leve que tinha, que não deixaria o pokemon com calor e nem seria o melhor disfarce do mundo, mas já ajudariam um pouco. Larvitar pareceu gostar do disfarce, usando um dos bolsos para guardar sua bolsinha, respondendo que não tinha certeza se tinha ou não alguém perseguindo ele, antes de ir junto com Teresa para procurarem por comida. No começo foi apenas uma caminhada silenciosa, com ambos olhando em volta, sem achar nada de interessante além de um Pidgey sobrevoando a região, sem dar atenção para a dupla, que logo sumiu entre as árvores.

As plantas pareciam ainda estar se recuperando da neve e nem ao menos tinham brotos em seus galhos, então a esperança de encontrar algumas frutas diminuía para quase zero, o que deixava Teresa um pouco incomodada, principalmente por ver Larvitar mastigando sempre que olhava para ele. Depois de um tempo Teresa finalmente o flagrou, percebendo que ele estava comendo pedras e que ele já tinha várias em suas mãozinhas.

Quando já estava quase desistindo, Teresa encontrou uma pequena toca, que parecia ter sido completamente coberta pela neve e tinha várias berrys, que ainda estavam terminando de descongelar depois de terem passado tanto tempo embaixo da neve.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Ter 02 Ago 2016, 15:52

Após horas de busca incessante e frustrante, no qual a única coisa de boa que a jovem percebeu foi que Larvitar também comia pedras (aumentando o rol de possibilidades para alimentá-lo), a jovem finalmente se sentiu alegre ao perceber as diversas Berrys congeladas.

As mãos já perdiam a sensibilidade enquanto a morena terminava de escavar para retirar as frutas da toca, agradecendo a quem quer que as tenha escondido ali. Aquilo garantiria sua sobrevivência por um pouco mais de tempo.

- Larvitar, pode tentar arrancar algumas dessas raízes também? - A morena pedia após tentar e perceber que estava sem forças para isso. Raízes sempre poderiam ser fervidas e simular pessimamente uma sopa, mas ainda eram um pouco nutritivas e também não lhe deixariam morrer de fome. Assim que pegassem algumas raízes e as frutas, a jovem os levaria de volta para casa antes que esfriasse, aproveitando para pegar galhos secos pelo caminho.

Para a noite, um quase banquete seria garantido dentro das possibilidades da dupla e a jovem pretendia questionar ao Pokémon a origem daquela bolsa. A curiosidade ficava cutucando no fundo de sua mente, só não ganhando espaço até o momento por questões mais práticas que mereciam mais atenção antes.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Sab 13 Ago 2016, 20:23

Feliz ao perceber que alimentar Larvitar não seria uma tarefa tão complicada, já que ele parecia feliz comendo algumas pedras que ia encontrando no caminho, Teresa se animava ainda mais quando encontrava aquelas berrys perfeitamente guardadas por um pokemon que não teve a chance de aproveitá-las antes que a neve as cobrisse. Ficando com os dedos frios e dormentes, a garota conseguia pegar todas as frutinhas congeladas e enquanto as guardava para levar de volta para casa, Larvitar se concentrava na tarefa que tinha recebido.

Para o pokemon terrestre cavar em volta das raízes foi bem simples, mas conseguir arrancar elas foi uma tarefa que ele só conseguiu usando bite para cortar a raiz, cuspindo a parte que tinha ficado na sua boca antes de entregar as raízes para Teresa. Com tudo bem guardado a dupla voltou se carregando com vários galhos secos que conseguiam encontrar, tendo que deixar vários para trás por ainda estarem úmidos ou até congelados.

Chegando em casa sem ter problemas, além de ter que ficar chamando o Larvitar que parecia querer pegar todos os galhos e pedra que encontrava, deixando tudo cair mais de uma vez enquanto ia andando, logo o pokemon terrestre colocou os galhos em um canto e ficou esperando para saber onde poderia guardar suas pedras. Pendurado em seu pescoço estava a bolsinha, que atraia tanto a curiosidade de Teresa, que naquele momento ficou sem saber como perguntar sobre ela de um jeito que o pequeno e doce pokemon conseguisse explicar para ela...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Ter 16 Ago 2016, 14:03

Quando a porta de casa se fechou, Teresa respirou mais aliviada. Se sentia segura em seu lar. Mirando a janela uma última vez, a jovem rezou para que a neve retornasse e ocultasse as pegadas deixadas para trás. Seria uma bênção de Arceus. No entanto esses pensamentos foram esquecidos quando mirou o Pokémon pedra.

As Berrys logo foram guardadas em um cesto, enquanto os galhos foram amontoados ao lado da lareira. Teresa esvaziou um armário da cozinha, permitindo a Larvitar guardar no lugar suas pedras. Enquanto isso as raízes eram lavadas, retirando-se toda a terra delas e, em seguida, guardadas em um pote de vidro.

Com tudo organizado, a morena chamou o Pokémon pedra para a cozinha. Os galhos viraram uma fogueira improvisada na lareira e uma sopa enlatada aqueceria seus estômagos. Enquanto comiam, a morena mirava a bolsa preta, criando coragem para as perguntas.

- Essa bolsinha... Você ganhou ela de algum amigo?

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Bianca.red em Qui 25 Ago 2016, 22:44

Se sentindo muito melhor agora que estava em casa, segura e com um pouco mais de comida armazenada para os dois, teresa logo se concentrou em guardar tudo, conseguindo também um lugar na despensa para que Larvitar guardasse suas pedras. O pequeno pokemon ficou muito feliz com isso, guardando sua comida bem organizada antes de deixar que Teresa fechasse a porta do armário.

Larvitar ficou olhando curioso Teresa limpar todas aquelas raízes e depois acompanhou ela até a cozinha, dificultando um pouco o trabalho de ascender o fogo e esquentar a sopa com suas tentativas atrapalhadas de ajudar. Quando finalmente a comida ficou pronta, Larvitar pegou uma de suas pedras e foi com Teresa até a sala para comerem juntos.

Os dois ficaram quietos enquanto comiam e depois de recusar um pequeno pedaço da pedra que Larvitar ofereceu, Teresa não conseguiu mais conter sua curiosidade e perguntou sobre a pequena bolsinha do pokemon. Sem medo, Larvitar respondeu de forma afirmativa a pergunta, logo virando o conteúdo dela no chão para que Teresa pudesse ver, sem conseguir tocar, já que Larvitar deu um tapinha na mão da garota sempre que ela tentava.

Da bolsinha caiu uma pokeball comum, algo que parecia uma bolinha de gude verde e vermelha e uma foto toda dobrada, que retratava um senhor e um garotinho no que parecia ser uma grande reserva, cheia de vários pokemon, mas o que mais se destacavam eram os vários Tyranitars, Pupitars e alguns Larvitares entre os outros pokemon. A foto com certeza não era recente, mas antes que Teresa pudesse perguntar mais sobre, um som estranho fez Larvitar se arrepiar de medo. Era o som de asas metálicas, bem diferentes de qualquer Pidgey ou Hoothoot que Teresa já tinha ouvido sobrevoando a região e por mais que o som parecesse distante, era possível notar que estava circulando bem acima da cidade.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Alice em Sex 02 Set 2016, 17:10

Teresa sorria para o pequeno Pokémon enquanto mirava as coisas da bolsa e tocava na mão onde recebera o tapa para não tocar em nada. A pokébola, a pedrinha redonda e a foto, tudo chamando a atenção da jovem, principalmente a foto. Estava a um passo de perguntar sobre a imagem, se eles ainda estavam vivos ou se ficava muito longe, quando o som de asas que em nada se assemelhavam as de um Pidgey se fez ouvir, fazendo Larvitar se arrepiar.

- Vem comigo. - O chamado era baixo e urgente. Rapidamente, a morena correu para perto da lareira, procurando no interior da base dela alguma pedra que pudesse puxar para esconder o Pokémon. Com um pouco de sorte, a Pokébola seria dele e poderia deixá-la oculta entre as pedras e sob as cinzas da madeira. O restante da bolsinha, precisaria que ele confiasse em si para esconder entre suas roupas, como se fosse algo sem importância.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Johto em Guerra

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum