Uma Razão Para Viver

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Seg 19 Ago 2013, 19:28


You Get What You Give


“Escuto seu cantarolar baixinho, enquanto o sol acariciava a pele clara e o saltitar agitar o tecido leve do vestido branco. Ela é estranha, mantendo um sorriso bobo na face, como se estivesse livre de alguma opressão. Como se fosse livre pra espalhar sua canção por todos os cantos destas ilhas que formam Shinki.”

“Minha felicidade não pode ser descrita, nem em um milhão de anos. Todo aquele sufoco, aquele mal estar, aquele maldito hospital, tudo distante... Não tão distante, claro, minha cidade não fica tão distante, mas mesmo assim... Finalmente me sinto livre! Tenho uma vida toda pela frente, posso ser feliz!”


Melissa saltitava pelas ruas da cidade, estava de bom humor. A Pokémon fantasma seguia a jovem com curiosidade no olhar, tentando entender o motivo de tanta alegria. Compartilhavam de alguns vícios em comum, além da curiosidade e alguns outros traços, mas tinham suas diferenças. A Stylist teimosa e orgulhosa, a Pokémon travessa e brincalhona.

A garota de cabelos cinzentos parava brevemente, mexendo de leve o pé. A tatuagem na lateral do tornozelo direito ainda estava dolorida, indicando que era recente. A pausa logo encerrava, a jovem voltava a cantarolar e a caminhar tranquilamente.

-But when the night is falling...


A voz suave, porém num ritmo animado. A jovem buscava algum local que pudesse ensaiar futuras apresentações. Um local calmo e tranquilo, sem muito movimento. Embora a cidade fosse grande e movimentada, devia existir um local assim, certo?

-And you cannot find the light...


A Pokémon fantasmagórica observava intrigada e ouvia atenta. A jovem sorridente seria divertida? As duas poderiam pregar peças juntas, talvez... Não parecia ser do tipo enjoada, como algumas outras pessoas que havia avistado, mas ainda não a conhecia bem. Estava curiosa. Melissa também sentia alguma curiosidade, em relação a sua nova companheira.

-If you feel your dream is dying... Hold tight!


A cabeça se movia levemente para os lados, acompanhando o ritmo da melodia. Os cabelos se agitando e dançando junto. Shuppet observava, chegando a conclusão de que quem olhasse, devido a estatura, expressão e atual comportamento, podia facilmente pensar que a moça se tratava de uma criança.

Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Yoshiki em Dom 25 Ago 2013, 16:12

A brisa amena da cidade rosa fazia com que as pétalas dos ipês pairassem sobre os visitantes, o sol raiva no céu sem nenhuma nuvem à vista, a temperatura acolhedora trazia diversas pessoas para as ruas, que normalmente já eram movimentadas. Apesar do grande congestionamento, a pequena Melissa não escondia sua exultação, cantando de forma doce e afável em meio diversos passantes do local. Os raios de sol, que banhavam seu vestido e sua pele, refletiam com grande intensidade na tonalidade alva, deixando-a com um aspecto ainda mais leitoso.

Para a stylist era como se ela finalmente houvesse se libertado de correntes que a muito a prediam, o ambiente depressivo, as neuroses e preocupações, tudo aquilo havia ficado para trás. O simples fato de pensar em que agora poderia viver bem longe do que lhe trazia tanto sofrimento, deixavam-na ainda mais extasiada.

A fantasminha não entendia bem o motivo de tanta felicidade, a propósito elas não haviam pregado nenhuma peça nem nada do gênero. Apesar de não entender, a vontade de se sentir tão satisfeita quanto sua nova parceira era grande, a pokemon olhava de um lado para o outro e ouvia atentamente a procura de oportunidade para importunar alguém.

Enquanto Melissa fazia uma breve pausa devido a tatuagem recém feita, que ainda incomodava um pouco, Shuppet viu algo ao qual não poderia resistir. Um pouco mais adiante, sentada num banco de uma praça, uma pequena garotinha de cachinhos dourados, usando um vestidinho rosa com lancinhos brancos, chupava um pirulito espiralado. Sem pensar duas vezes, a fantasma foi o mais célere que pode até o local, tomando então o doce da mão da criança e comendo-o com uma mordida só.

A satisfação de Shuppet era imensa, aquele pirulito estava com um sabor indescritivelmente bom e por ter sido roubado e comido em frente ao dono, o sabor ficava ainda mais especial, agora a pokemon encontrava-se tão feliz quanto sua dona. Melissa pode ver a cena toda de onde estava, entretanto tudo ter ocorreu tão rápido que ela sequer teve tempo de reagir.

A garotinha agora se encontrava aos prantos, emitindo altos berros estridentes, enquanto a pokemon parecia se deleitar cada vez mais com isso. Os passantes em sua maioria olhavam com cara feia, apesar de não parecerem se importar o suficiente para interferir no ocorrido.





Off: Serei seu narrador a partir de hoje, espero que você goste e possa se divertir ;*


Última edição por Yoshiki em Sab 31 Ago 2013, 13:48, editado 2 vez(es) (Razão : Quebra de layout)
Yoshiki
Yoshiki


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Sex 30 Ago 2013, 20:21


You Get What You Give

A brisa suave trazia consigo as pétalas rosadas dos ipês, numa dança leve e acolhedora. Suave, delicada, a jovem respirava fundo, animada com o clima agradável. O movimento das ruas, embora intenso, não deixavam a garota acanhada. Para ela, tudo parecia ganhar um novo colorido, novas portas se abrindo a cada passo, permitindo-lhe talvez se esquecer de tudo o que passou. Esquecer-se de sua saúde e viver como se estivesse bem. Esquecer-se dos anos em que viveu mais no hospital do que em casa. Recomeçar do zero.


Infelizmente, nem sempre seria apenas alegria e sorrisos.


Embora a felicidade radiante de Melissa, a pequena fantasma tinha outras ideias de diversão. Para ela, pregar peças era a melhor coisa que se podia fazer. Queria sentir-se feliz da mesma forma, desconhecia ainda a garota de cabelo cinza, porque não buscar alguém para se divertir? Não havia nada de errado nisso.


A breve pausa dava chance aos olhos da Pokémon que flutuava. Breves segundos, mas foi mais do que o suficiente para que seus olhos encontrassem uma guloseima adocicada e deliciosa. Sem nenhuma vergonha, roubava o doce de uma criança, devorando-o sem se importar com quem olhasse. Ao contrário, estava satisfeita. A Stylist olhou chocada, sem poder fazer nada para impedir.


Melissa escondeu o rosto nas mãos, sem acreditar. Sua Pokémon roubava doces de criança, que comportamento! Agora havia uma menina chorando e pessoas encarando a Pokémon de forma depreciativa. O que devia fazer? Comprar outro doce? Talvez... Respirou fundo e se aproximou.

-Shu, não seja tão baixa.


A jovem dizia, estando irritada. Sua irritação aumentava quando a Pokémon, descaradamente, ria de sua cara. Ordenou que parasse de rir, mas a risada só aumentava, assim como sua irritação. A garota começava a discutir com a Pokémon, que a provocava e ria de suas reações. Melissa respirou fundo, quando a Pokémon caía no chão quase chorando de tanto rir. Optou por retorná-la, aquela Shuppet iria testar sua paciência diversas vezes...

-Ei, se eu comprar outro doce pra você, promete parar de chorar? – A Stylist ofereceu, torcendo para que aquilo acalmasse a menina.



Off: Obrigada =3 não tenho muitas ideias, então o post pode ficar meio ruim XD
Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Yoshiki em Ter 03 Set 2013, 16:56

White não podia acreditar naquela cena, tampouco passara ao lado de Shuppet e já pode ver que a fantasma fá-la-ia passar por situações constrangedoras e o pior, ao tentar reprimir o mau comportamento do pokemon, a treinadora deparou-se com risadas, que a deixavam cada vez mais enfurecida. Melissa rapidamente percebeu que não tinha outra opção, deixar a fantasma fora de sua pokebola só pioraria as coisas, o pokemon teve de ser retornado.

O berro estrídulo da garotinha se intensificava cada vez mais, intensificando o olhar dos passantes, dessa vez fitando a Stylist.

Muitas pessoas simplesmente iriam embora caso estivessem no lugar de Melissa, mas ela não era desse tipo, sempre que alguém estive precisando de ajuda a jovem estaria disposta a ajudar, principalmente quando o motivo pelo qual a pessoa sofre seja proveniente, quase que diretamente, da própria Stylist. Sanar o choro da cachinhos dourados, entretanto, não seria uma tarefa tão simples assim.

-Nãããããooo... Eu quelo meu pilulito! – gritava a menina, de forma quase ensurdecedora, ao ouvir proposta de Melissa. Logo após responder, ela se tornava a chorar, cada vez mais alto, se é que seja possível atingir um tom acima daquele para um humano.

A resposta não era muito clara, talvez ela não tivesse entendido a proposta, talvez quisesse especificamente o pirulito devorado, talvez fosse apenas uma criança muito luxenta, ou quem sabe ela apenas tivesse ficado assustada com o ocorrido e o seu choro fosse uma forma de expressar suas emoções. Independente do motivo, a Stylist precisaria agir rápido, não tardaria que um cadete chegasse ao local para ver o que se passava; ser preso por conta de um pirulito deve ser no mínimo revoltante.

Mesmo que um cadete não aparecesse, uma garota daquele tamanho não estaria sozinha assim na cidade, provavelmente algum responsável se encontraria nas redondezas ou na espreita; e mesmo que ela estivesse só, um passante qualquer poderia tentar ajudá-la e mal-entender o papel de Melissa no ocorrido. A jovem White precisava tomar uma atitude, talvez deixar o local fingindo que nada aconteceu fosse o mais fácil ou, quem sabe, comprar um doce e esperar que a garota não fosse embora dali.

Foi então que uma ideia lhe caiu como uma luva, porque ela não se apresentava para a garota? Fazendo-a ficar entretida com outra coisa e que assim parasse de chorar. Ainda existia um pequeno risco de a pequena assustar-se ainda mais ao ver o pokemon fantasma novamente, mas esse era um risco que talvez valesse a pena correr, a propósito existe uma causa mais nobre que tentar trazer felicidade para as pessoas?




Off: Sua narração está (y). Já eu, peço desculpas pela minha, a criatividade n está em alta, recebi duas péssimas notícias recentemente =/
Yoshiki
Yoshiki


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Sab 07 Set 2013, 22:05

Off: Teu post tá ótimo \o/ virão tempos melhores o/
Off2: Uma apresentação dura alguns posts e narrador tem que ir narrando a reação das pessoas que estão assistindo, por isso comecinho foi fraco XD sem falar q faltam ataques, Pokés e itens pra fazer uma apresentação decente @.@


A criança berrava, demonstrando ter um pulmão bem potente e surpreendendo a jovem de cabelo cinzento. Era mais fácil simplesmente ir embora, mas a garota não se sentia bem pela choradeira causada por seu Pokémon fanático por açúcar. Sentia-se um pouco culpada pela situação.

Infelizmente, acalmar a menina não parecia ser tão fácil. Crianças não eram o forte de Melissa. Era filha única e passou boa parte de sua vida cercada apenas de enfermeiros e médicos. Por Arceus, como saberia o que fazer para fazer uma criança parar de chorar?! E o choro cada vez mais alto da cachinhos dourados apenas servia para deixar a Stylist sem saber o que fazer.

Mesmo a proposta de um novo doce não acalmava a loira. Talvez fosse mimada, ou talvez estivesse apenas assustada. O que podia ser feito para tranquilizar uma menina? Seja o que fosse, a “luz” devia vir rápido, antes que alguém entendesse errado a situação. Deixá-la sozinha para comprar algo não parecia boa ideia.

Melissa recordava que, quando fazia birra, seus pais a acalmavam deixando-a assistir apresentações de alguns teatros ou ouvir música. Isso funcionaria? Bem, não custava tentar... Pegou a argola de sua bola e liberou a pequena Pokémon fantasma, que observou curiosa.

-Shu, quer brincar?

A Stylist dizia erguendo a argola. A Pokémon ficou com um olhar tedioso, tentando passar pelo pequeno aro, para demonstrar que aquilo era sem graça, mas a jovem lançou para o alto, fazendo a Pokémon errar e pegava com a outra mão. Shuppet olhou surpresa, entendendo o jogo. Melissa lançava a argola dourada para o alto, a pegando e girando antes de lançá-la novamente. A fantasma tentando atravessar, falhando algumas vezes. Aguardava que aquilo chamasse ao menos a atenção da menina.
Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Dom 22 Set 2013, 01:33

off: estou assumindo sua rota, espero que nos divirtamos ;D
off2: desculpa o post pequeno. É o sono u.u'


Shuppet primeiro se mostrava entediada com a ideia de Melissa, porém quando a garota dificulta a tarefa de simplesmente passar pelo aro, a fantasma se anima. Apesar de errar algumas vezes, Stylist e Pokémon continuam praticando e tentando entreter a menina. Parecem obter sucesso, já que o choro parou momentaneamente. Olhando de canto de olho, Melissa percebia cachinhos dourados olhando para a dupla. Os olhos ainda estavam marejados e a boca com bico de birra, sem sorrisos mas também sem lágrimas. Poderia se considerar uma vitória.

Satisfeita com o resultado, Melissa continuou lançando a argola no ar e pegando logo depois, exigindo cada vez mais da pokémon que parecia se divertir com a brincadeira. Mais três pessoas paravam sua caminhada para assistir o pequeno espetáculo e isso anima Melissa. Pessoas parando para ver quer dizer que estava fazendo um bom espetáculo, apesar do escasso recurso.

Após mais alguns lançamentos, o braço de Melissa cansou e ela encerrou a apresentação, fazendo uma pequena reverência, assim como Shuppet. O fim do espetáculo trouxe duas coisas inesperadas para aquele dia: aplausos dos adultos e mais choro de cachinhos dourados. A criança ainda não esqueceu o doce, então obviamente não se divertiu o suficiente. Melissa e Shuppet teriam de se esforçar mais. Era hora de dar mais funcionalidades para aquela argola.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Dom 22 Set 2013, 15:20

A criança parando de chorar animava a jovem de cabelos cinzentos. A jovem sabia que a menina a observava, sem sorriso, mas sem lágrimas. Era o primeiro passo para a vitória. A apresentação era simples, com poucos recursos, mas conseguia entreter mais algumas pessoas.

A brincadeira também servia para distrair a Shuppet. Uma Pokémon energética que achou alguma coisa para se entreter. As coisas pareciam estar indo muito bem. Mais algumas pessoas se juntavam para assistir, alegrando Melissa. Embora a simplicidade, significava que estava indo bem.

Um largo sorriso surgia na face da Stylist ao ouvir os aplausos, mas logo sumia ao ver que a criança ainda chorava. Suspirou desanimada, pensando no que fazer. Teria que pensar em alguma coisa a mais para fazer. Apoiou a argola levemente no queixo, enquanto pensava, a Pokémon fantasma a rodeando, ainda desejando brincar.

Os olhos cinzentos fitaram a Pokémon, bolando algo e cochichando no ouvido da mesma. A Pokémon se animou e se afastou um pouco. Melissa respirou fundo e começou a cantar, as primeiras notas, girando a argola em seus dedos enquanto começava a dançar.


 
 
 

Ooh!
Come on try to catch me
Ooh!
Catch me if you can
Ooh!
Come on try to catch me
Ooh, Catch me if you can

Lançou a argola para o alto e Shuppet a alcançava, segurando-a e passando a rodá-la em seu pescoço, como um bambolê, passando a dançar junto de Melissa. Ambas se revezando e lançando a argola uma para a outra. Melissa a girando em seus dedos, Shuppet a girando em seu pescoço.

Look out
It's time the world was ready for a
new thing, it's time I got ahead
Give in!
Nothing's gonna stop me and I
won't quit till I'm sittin' on the top

Melissa lançava a argola para o alto, girando enquanto Shuppet passava pela mesma, segurando-a em seguida. Lançou para o alto, de forma que girasse, vendo seu Pokémon usar Night Shade no centro do objeto e o ataque sumindo no ar. Melissa segurava novamente a argola girando-a em seus dedos.

Never give up when the goin' gets rough
I know I'm gonna make it through
Just try to remember me enough
I'll show you there's Nothing that I can't do!

A garota continuava girando a argola em seus dedos, lançando-a, embora mais baixo. Shuppet passava e, para surpresa da própria Stylist, sumia. A jovem cantava, virando o objeto e o lançando de novo, vendo-o parar no ar e girar, enquanto Shuppet surgia de novo. A argola no pescoço, igual um bambolê novamente. A garota sorriu, se divertindo com aquilo.

Ooh!
Come on try to catch me
Ooh!
Catch me if you can
Ooh!
Come on try to catch me
Ooh, Catch me if you can

Novamente, Shuppet jogava a argola para a Stylist, que a girava em seus dedos e jogava vez outra. Shuppet sumindo quando passava pela argola, reaparecendo pouco depois quando Melissa a movia, parecendo um truque de mágica. A expressão da jovem quando a Pokémon sumia, como se estivesse se perguntando para onde a mesma foi, sorrindo quando a Pokémon reaparecia.

Come on, Come on
Catch me now
Catch me Pokemon
Can you Come on catch me
Can you now?
You can't catch me yet
Yow!

Ambas dançavam um pouco mais, brincando com a argola. Torcendo para que a criança parasse de chorar e, quem sabe, agradar as pessoas que passavam por ali e receber mais alguns aplausos. Havia gostado da sensação. Shuppet pouco ligava, havia gostado daquela brincadeira e desejava se divertir mais apenas.
Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Dom 22 Set 2013, 18:37

Melissa ficava feliz ao ver que a criança parou de chorar e ainda mais ao notar algumas pessoas parando para ver a pequena e improvisada apresentação. Entretanto, quando parou, os aplausos não foram mais fortes que o choro da menina. Por sorte a menina de cabelo cinzento teve uma ideia e, após sussurrar para sua pokémon, começava a cantar e dançar.

O pequeno público que começava a se dispersar voltava ao notar que teria mais uma apresentação. Um cadete ficava de olho para ter certeza que não aconteceriam confusões durante o espetáculo. A argola voou mais uma vez, mas desta vez foi pega por Shuppet que a usou como bambolê em vez de simplesmente passar por ela. Mais aplausos e fim do choro mais uma vez.

Stylist e pokémon se revezavam bamboleando a argola, Shuppet em seu pescoço e Melissa nos dedos. A criança começava a esboçar um sorriso e pular de alegria com a música. A mais velha lançou a argola dourada e Shuppet usou seu Night Shade no centro do aro, fazendo-o atravessar e se dissipar. O contraste do dia claro e do aro dourado com o golpe escuro chamou a atenção de todos que aplaudiram.

A platéia crescia. Mais quatro expectadores paravam para ver o show. O aro subia mais uma vez. Shuppet voava para pegá-lo. Entretanto, ao atravessar, a pokémon fantasma desapareceu. Melissa não parou de cantar, mas olhava como se perguntasse onde sua pokémon parou. A criança olhava hipnotizada agora, procurando a pequena pokémon. Melissa conseguiu a atenção de todos e lançou o aro mais uma vez para o ar. Shuppet reapareceu e voltava a bambolear a argola dourada.

Os aplausos cresceram com a pequena sequência e, perante tanto barulho, mais 2 pessoas se uniam a platéia. Melissa agora tinha um público considerável para a primeira apresentação. A argola subia e Shuppet sumia. A argola descia e Shuppet aparecia. A brincadeira era divertida para todos.

Quando a música se encerrou, a menina já não chorava. Desinibida, a criança pulou para perto de Melissa, pegando a argola para brincar com Shuppet também. A platéia continuava em expectativa, esperando mais alguma ação da Stylist e a aplaudindo pela última apresentação. O cenário era perfeito. Apesar da prisão que Nyender era na realidade, as flores de Sakura espalhadas no ar formavam o palco perfeito.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Dom 22 Set 2013, 22:51

Tudo parecia simplesmente perfeito naquele momento. A Stylist sorria e sentia-se leve como uma pluma. Os aplausos e o fim do choro animavam a jovem que cantava e dançava alegremente. Brincava com sua Pokémon.

O contraste do golpe negro com o dourado da argola, criou um efeito que teve um resultado melhor que o esperado pela jovem. As pessoas aplaudiam e aos poucos mais se juntavam para assistir. A menina assistia finalmente com um sorriso, procurando a Pokémon quando esta sumia. Finalmente uma expressão alegre.

Mais aplausos e Melissa desejou poder congelar o momento. Sua primeira apresentação, simples e de poucos recursos, havia juntado um grupo de pessoas considerável para uma primeira tentativa. Todos pareciam se divertir. A apresentação encerrava, deixando a criança brincar com a argola. Shuppet tentando passar pelo objeto, sumindo e reaparecendo, entretendo a menina. As pessoas parecendo aguardar por mais algo. Tinha como melhorar?

Infelizmente, tudo piorou. A jovem sentiu as dores familiares espalharem por seu corpo, não evitando uma leve careta de dor. A respiração se tornava difícil e tudo ficou fora de foco. Só teve tempo de amaldiçoar sua própria saúde mentalmente, antes de cair inconsciente. Shuppet se aproximava da garota, olhando-a com preocupação e confusão, não acostumada ainda a fragilidade de White.

Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Ter 01 Out 2013, 21:45

O dia de Melissa parecia incrivelmente feliz e sem condições de melhorar. A garota estava certa. Após a bela apresentação, o dia piorou. Sua doença se manifestava e a jovem desmaia no meio da apresentação. Os espectadores corriam assustados e ligavam rapidamente para o hospital, solicitando uma ambulância. Shuppet flutuava ao lado da jovem Stylist em pânico, sem saber o que fazer.

Algumas horas depois...

Melissa acordava na cama do hospital. O quarto branco tinha espaço para três camas, uma tinha uma mochila ao lado, mas estava vazia, outra era a que a jovem ocupada. A terceira estava faltando. Só o espaço exato dela, o suporte para soro e a cadeira indicavam que deveria ter ali uma terceira cama. Flutuando a seu lado, Shuppet parecia preocupado ainda, sem saber o que fazer. A mochila da garota estava em uma cadeira ao lado da cama e parecia intocada. A argola dourava acima da mochila indicava que ninguém se deu ao trabalho de guardá-la, logo a jovem esperava que ninguém tivesse se dado ao trabalho de abrir a mochila para roubá-la, até por que a jovem não tinha um grande patrimônio. Respirando fundo, a jovem olhou para o teto do hospital. Estava tão acostumada àquele tipo de lugar que não sabia bem o que fazer, já que esperava não voltar tão cedo.

O pokémon fantasma entrou no seu campo de visão ganhando a atenção da garota que sorriu, aliviando um pokémon Shuppet. Antes que pudesse falar, no entanto, a terceira cama voltava, com um senhor de idade anestesiado. Pela expressão dos enfermeiros, a situação era grave, tanto que o isolaram com uma cortina. Agora melissa tinha à sua esquerda uma cama isolada e à sua direita uma cama vazia com uma mochila. Novamente a jovem foi se explicar para a pokémon e tranquilizá-la e novamente foi interrompida, dessa vez por um garoto que entrava no quarto. O avental típico dos pacientes, o soro ao seu lado lhe diziam que ele era o terceiro paciente. O pokémon de fogo no chão indicava que ele era um gladiador ou um stylist possivelmente.

3 pontos de fama ganhos por apresentação.


off: estou unindo sua rota com a do Cerberus
a ordem de narração será: Melissa > Cerberus > Narrador > Cerberus > Melissa > Narrador...
lembre-se de sempre responder em ambas as rotas com o mesmo post.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Qui 24 Out 2013, 10:27

Os orbes cinzentos, lentamente, se revelavam e tentava focar as coisas ao seu redor. Lentamente, a jovem recuperava os sentidos, olhando ao seu redor. Não demorou a ficar emburrada e irritada. Reconheceu o hospital e agora, era uma paciente, de novo... Seu dia estava bom demais para durar...

Virava a face e olhava para a pequena fantasma, sorrindo de forma meiga para acalmar a companheira. Fitou a mochila, suspirando aliviada ao perceber que nada fora tomado, tinha poucos pertences e seria ruim se alguém roubasse o pouco que possuía. Na realidade, seria um abuso, ao ver da garota. Voltou a olhar para o teto, sem saber o que fazer. Demoraria a ganhar alta? Já imaginava que em poucos minutos, Gregory entraria e tentaria convencê-la a se tornar “voluntaria”, deixando que fizesse testes. Respirou fundo, desanimada.

Ignorava o paciente, já estava acostumada com situações assim. Só contava os minutos para que um médico o enfermeiro aparecesse para falar alguma coisa. Quando ouviu a porta, se preparou para falar, mas interrompendo-se quando viu que era outro paciente.

-Olá...

Melissa cumprimentava, embora ainda um pouco incerta. Não era incomum as pessoas do hospital não estarem com vontade de conversar...

Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Cerberus em Qui 24 Out 2013, 11:15

Retornava para o quarto, mais um repouso antes de sair para procurar Nidorino, na verdade estava decepcionado, irritado, meu pokemon me traía, servindo alegremente a um desconhecido, ignorando completamente minha presença, minha existência. Chamo por ele, minha voz acaba por levar consigo minha indignação, teria o macaco uma daquelas almas caridosas que procuram fazer o bem sem olhar a quem? Não, improvável, se fosse assim ele não deveria ajudar-me? Eu, que sempre estive a seu lado?? Por outro lado, talvez ele queira me mostrar que devo melhorar em algo, me tornando forte ao conviver com ele... humpf, na verdade estou chocado, mas vou sair dessa!

Um sorriso surge em meus lábios, enquanto procuro me encorajar, retorno ao leito, o pokemon caminha a meu lado apresentando fisionomia confusa, parece que está tentando assimilar minhas últimas atitudes. Ouço um "olá", voz feminina, porém não emito resposta, estava concentrado demais para formular resposta. Deitado, passo a imaginar meus próximos passos ao sair dali, lutando contra o sentimento ruim que tenta me invadir, não é muito fácil vencer o mal humor, mas com persistência se consegue. Olho para a mochila, estava exatamente como fora deixada isso é bom até porque quase não há nela o que roubar, isso me lembra de que preciso comprar itens.

Algo porém me chama a atenção, um objeto flutua perto da cama que antes parecia vazia. Objeto? Não! Um pokemon, Kagebouzu ou Shuppet, bastante incomum na cidade. Noto também sua mestra, uma menina de aparência bastante jovem, mas a julgar pelo pokemon deve ter alguma experiência, terá sido ela quem me cumprimentou, visto que me dirigia o olhar?
-Er... olá, er... desculpe por não responder prontamente. Tento me mostrar ao máximo educado, pessoas assim são raras, ainda mais em Nyender, embora no momento nenhum assunto me venha à mente procuro estender a conversa:
-Então... o que houve para estar aqui? Não parece ferida.
Cerberus
Cerberus


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Sex 15 Nov 2013, 23:10

off: peço mil perdões pela demora ç.ç espero que o poste fique a contento ^^


Gladiador e Stylist estavam deitados, cada um em seu leito. A garota quase se desanimava perante o silêncio, até que finalmente ouviu um olá receoso e uma pergunta sobre o motivo de estar ali. A dúvida do estranho era plausível, já que a jovem não apresentava ferimentos e Gregory não era conhecido por sua preocupação com os pacientes. O médico não manteria ninguém no hospital sem uma boa justificativa.

A garota mirava o jovem, pronta para responder a pergunta. Sua Shuppet deixou seu lado e flutuou para perto de Chimchar, implicando e irritando o já nervoso macaco. Antes que a Stylist pudesse responder, fazer sua Pokémon parar, ou que o garoto pudesse conter seu Pokémon que já pulava pelo quarto tentando pegar a fantasma, a porta se abriu revelando o médico não mais querido de todos.

- Muito bem, Srta. White.

Gregory passava por Daren sem lhe dar importância e sem ouvir a pergunta do moreno sobre seu outro Pokémon. O médico só tinha olhos para a jovem, o que intrigava ainda mais o gladiador. Os pokémons se aquietaram próximos de Melissa, cientes de algo importante acontecia.

- Após esse incidente na rua, acredito que esteja mais suscetível a aceitar minha proposta sobre ser voluntária na pesquisa para a cura de sua misteriosa doença.

A forma como o médico falou “voluntária” arrepiou o gladiador. De repente ele já conhecia toda a história: jovem com doença misteriosa que Gregory queria usar de cobaia em suas pesquisas. Mais raiva pelo médico preencheu o âmago do garoto, porém novamente ele foi interrompido de falar...

Gregory erguia a pasta que carregava embaixo do braço na hora certa, como se já estivesse familiarizado com o comportamento da mulher. Em segundos, a pasta virou escudo para um copo, em seguida para um travesseiro. O médico nem mesmo abaixava a pasta enquanto lamentava a falta de compreensão da garota, ao mesmo tempo mais e mais objetos voavam contra o médico acompanhados de ofensas que jamais deveriam sair de uma boca feminina e delicada. Daren viu até mesmo seu Pokémon ser arremessado contra o médico. Chimchar rapiamente ser ergueu do chão e pulou na cama do gladiador, enquanto era a vez de Shuppet colidir contra a pasta e desaparecer em pleno ar, ressurgindo ao lado da Stylist com expressão furiosa.

- Voltarei mais tarde, quando você pensar melhor sobre o assunto.

Sem jamais se desfazer de seu escudo, o médico saiu do quarto com calma, como se não estivesse sendo bombardeado por todos os objetos possíveis. Após fechar a porta do quarto, uma argola atingiu a mesma, ficando pendurada na maçaneta. Melissa deitava a cabeça contra o colchão sem lençol, que misteriosamente também estava embolado no chão após ser jogado. A fúria em seus olhos era palpável e a frustração de Daren também, já que ainda não obtivera informações a cerca de Nidorino.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Cerberus em Qui 21 Nov 2013, 09:38

Oi, estamos de volta, se assim posso dizer ^^

A moça parecia um tanto decepcionada com minha atitude, não era pra menos, eu demorei à responder, era intrigante: Sem o mínimo sinal de escoriação ou sintomas de alguma doença, a garota permanecia deitada no leito, sendo observada de perto por sua fantasma Shuppet. A pequena flutuava então, atravessando o espaço que separava nossos leitos aproximando-se do macaco, seus grandes olhos deixavam claro o interesse e curiosidade pelo de fogo, que não compartilhava do mesmo sentimento logo passando a reclamar. A pokemon, porém era insistente em sua observação, rodeando-o o que deixava Chimchar ainda mais irritado. O temperamento explosivo do símio mostrava-se através de gritos e correria pelo quarto, para onde quer que ele pulava e se pendurava, a Ghost o seguia sempre de perto, terá ela simpatizado com ele e querendo brincar? Era óbvio que a gritaria seguia o pequeno que, quando atingia distância julgada segura, subia em algo alto, gritando e batendo no peito na tentativa inútil de afasta-la. Os gritos e a barulheira já não me incomodavam no entanto, sabendo que se trata de um hospital tentava fazê-lo parar.

A porta se abre num suave ranger, chamando a atenção dos presentes, toda a bagunça sessava num segundo, ali estava ele , diante de mim, o maldito! Com aquele jaleco que tanto desgosto me traz, Gregory Haltz. Não consigo manter bons pensamentos sobre ele por mais que eu tente, dizem que foi um Affair da comandante Angélica, algo que acho possível, os megeras devem se entender!
Mas não perco tempo e logo pergunto sobre o outro pokemon, como era de se esperar o homem me ignora totalmente, tendo a atenção voltada totalmente para a jovem do Shuppet, ouço o médico falar a respeito de uma doença misteriosa, querendo que ela seja sua voluntária. Hmpf! Do jeito que ele é, ela será usada como cobaia, isso sim, tomara que a garota não aceite inocentemente.
Minha resposta vem logo em seguida, transfigurada em um travesseiro voador, bloqueado pela planilha-escudo do médico. Vários objetos, disparados com invejável destreza, atravessam o ar rumo ao alvo, nem mesmo os pokemons escapam! Hã!? Como assim!? Hikozaru é lançado sem poder se defender contra a planilha, a ação foi tão rápida que ele resolveu subir em minha cama ao invés de revidar como de costume, curioso, parecia estar com medo, nunca vi ele assim. Nem mesmo sua própria pokemon escapou da rajada, retornando irritada para perto da mestra.

Com a mesma frieza que entrou o homem saiu após o "RAGE" da jovem, deixando-me sem respostas. -QUAL É!!?? É TÃO DIFÍCIL CONSEGUIR UMA INFORMAÇÃO POR AQUI?? Falei em tom bem mais alto que de costume, indignado. -Hikozaru, você me ajudará a encontrar Nidorino! Preparo-me para sair do quarto mais uma vez, deixando a garota em paz, ela parece ter mais problemas  que eu, mas não vou ficar de braços cruzados, se alguém me desse ao menos alguma pista...
Cerberus
Cerberus


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Ter 10 Dez 2013, 18:14

Um pequeno sorriso surgia na face da jovem. Finalmente alguém com que pudesse conversar e passar o tempo. Abria a boca para responder a pergunta, mas logo sua atenção foi para sua pequena fantasma que infernizava o Chimchar. A jovem tentava parar sua companheira, até que o ultimo ser que Melissa queria ver adentrava no local. Ela logo fechou a cara, vendo “vermelho” quando o médico tentava convencê-la a se tornar voluntária.

Melissa não via nada, apenas queria agredir o homem de jaleco, jogando qualquer coisa que estivesse ao seu alcance, sem se importar com o que fosse. Pronunciava ofensas que, com certeza, deixariam sua mãe aterrorizada. Estava furiosa. E sua alta provavelmente demoraria algum tempo...

Olhou para a pequena fantasma, que estava claramente irritada. Sorriu sem graça e se desculpava com ela, se virando para o rapaz quando o ouvia gritar indignado, erguendo-se em seguida.

-Desculpe ter jogado Chimchar no Gregory... E boa sorte na sua busca...

Dizia para ele, envergonhada do que havia feito. Não era a primeira vez que tinha um “pequeno” ataque de raiva, mas se sentia mal por ter se descontrolado. Mexia na bolsa e colocava um vestido por cima do pijama do hospital, arrumando-se e tentando parecer o máximo possível com apenas uma visitante. Tentava eliminar qualquer coisa que a dedurasse.

-Shu... – Shuppet encarou a Stylist, ainda com um pouco de raiva – Quer brincar?

A raiva sumiu no mesmo instante, substituída por curiosidade aguda. A Pokémon rodeava a garota, querendo saber o que ela pretendia. Melissa sorriu.

-Vamos brincar de Fuga. Temos que fugir do hospital sem que ninguém nos veja ou note quem realmente somos. Você fica invisível e espia os corredores, se não tiver algum médico ou enfermeiro, então vamos tentar sair e nos esconder em algum armário, banheiro ou outro quarto. Teremos que seguir assim até chegar a uma saída. Uma escada de incêndio, saída dos funcionários, coisas assim que nos levem pra fora daqui. O que acha?

A pequena fantasma comemorou. Parecendo animada e sumindo em seguida, indo espiar os corredores e indicar o melhor momento pra fugir. Melissa juntava suas coisas e ficava em pé no quarto. Não desejava levantar suspeitas de que estava fugindo. Se o hospital fosse igual ao de Grung, então saberia para onde ir. Só era preciso rezar para que a doença não atacasse e causasse algum desmaio ou fraqueza...

Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Qua 11 Dez 2013, 18:10

Melissa terminava de se vestir as pressas, fazendo de tudo para aparentar ser somente uma visitante do hospital. Enquanto isso, menos preocupado com sua aparência e mais com informações, Daren se ergue, arrastando o incomodo suporte do soro consigo, e caminha até a porta. Shuppet some, procurando o melhor horário e caminho para a fuga. Tudo parecia estar se encaminhando e, nesse momento de esperança de Melissa, Daren abre a porta e acaba com tudo.

- Muito bem, o que vocês dois estão fazendo?

Uma enfermeira mirava a dupla ainda no quarto enquanto carregava uma bandeja. Melissa se engasgava em busca de uma desculpa, mas para sua sorte Daren tomou a frente, reclamando da falta de informação a cerca de seu Pokémon.

- Bem, descobri que Nidorina passou por uma cirurgia delicada na pata da frente e está se recuperando. Ela ainda não pode ter alta e só poderá receber visitas quando acordar da anestesia. Agora você mocinha. Volte para sua cama e tome sua sopa. Logo chegarão os resultados de sua ressonância e o doutor virá conversar novamente. Peço que se comportem. Não gostaria de ter de colocar um segurança na porta.

Sem esperar resposta, a enfermeira colocou a mesma sopa que Daren comera mais cedo ao alcance de Melissa, retirou o soro de Daren, deixando o garoto livre e saiu do quarto. A situação não era nada animadora. Para piorar a situação, Shuppet informará que os andares mais baixos estavam repletos de cadetes que haviam retornado de uma importante missão. Fugir era praticamente impossível. Duas pessoas sozinhas não passariam despercebidas, ainda mais com o cabelo pouco comum da jovem. Ambos teriam que bolar um plano juntos que os tirasse daquela prisão hospitalar.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Qua 11 Dez 2013, 20:46

Por alguns instantes, a jovem não sabia o que fazer. Agradecia pelo rapaz se adiantar e poupá-la de inventar uma desculpa, mas não sabia como proceder. Entretanto, sua mente se focava em apenas uma palavra do que a enfermeira dizia. “Ressonância”. Haviam feito uma ressonância enquanto estava desacordada? Não tinha dinheiro para pagar por esse exame! Ficou estática alguns momentos, apenas assistindo a enfermeira sair, antes de se permitir surtar novamente.

-COMO EU VOU PAGAR POR ISSO?!?!?!?!

A jovem resmungava e choramingava, lamentando a falta de dinheiro, jogando todas as pragas existentes, tanto no médico que havia solicitado tanto no que havia feito tal exame, mentalmente. Ficava mais desanimada com a chegada da fantasma, que anunciava os corredores lotados de cadetes. Estava deprimida e desesperada. Tinha que dar um jeito de sair dali, antes que viesse a conta. Teria que ser rápida!

-Se eu te pedisse, me faria um favor?

A garota perguntava para o outro paciente, verificando as gavetas e caçando alguns esparadrapos. Formulava um plano para sair dali. Sozinha, não conseguiria, sabia disso, mas torcia que o dono do Chimchar a ajudasse. Se forçava a se manter calma.

-Você fingiria ser meu irmão, e que está me levando pra casa? Acho que ninguém faria muitas perguntas e já fugi do hospital uma vez assim... Enquanto isso, posso mandar minha Shuppet procurar por sua nidorina e ver em que quarto ela está...

Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Cerberus em Ter 17 Dez 2013, 22:23

Maravilha! Estava saindo do quarto e fui pego, de novo. A enfermeira ordena que fiquemos no quarto, ao menos o soro me foi retirado, estou livre dele. Me sinto feliz por poder me mover sem impedimentos.

"-COMO EU VOU PAGAR POR ISSO?!?!?!?!"

A jovem grita indignada, a respeito de um exame realizado sem seu consentimento, esbravejando e amaldiçoando toda a equipe médica. A enfermeira que nos impediu de sair colocou a mesma sopa sem gosto diante da raivosa menina, que se desculpava com seu pokemon antes de se dirigir a mim:

"-Se eu te pedisse, me faria um favor?"

Ela pede minha ajuda, formulando algum plano para fugirmos, ficou claro o desejo de ambos de estar o mais longe o possível dali. Já vestindo-se ela pede que eu finja ser seu irmão, e de quebra manda que sua Shuppet investigue o paradeiro de Nidorino. Aquilo me deixa bastante satisfeito, poder recuperá-lo. Antes mesmo de respondê-la, passo a vestir-me também, poder sair dali me deixa empolgado.
-Combinado! Mas antes me diga, qual seu nome completo? Com base nessas informações posso conversar com quem nos barrar no caminho. Digo enquanto pego a mochila, já deixando uma de minhas pokebolas à mão para Nidorino, Chimchar apenas observa ainda de cima da cama toda a cena, sem interferir até o momento. Torno a olhar para a moça, perguntando com pressa:

-Então, vamos?
Cerberus
Cerberus


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Qui 19 Dez 2013, 12:43

Devidamente vestidos e com Chimchar de volta em sua pokébola para não chamar a atenção, a dupla de fugitivos do hospital se preparava para mais uma tentativa. A sopa era esquecida enquanto Melissa enrolava seu braço e simulava fracamente uma tala. Daren pegava as duas mochilas, afinal se queria passar por irmão preocupado não poderia deixar a menina fazer força. Shuppet sumia no ar, em busca de uma Nidorina.

Com cuidado o gladiador abriu a porta do quarto e observou o corredor em busca da enfermeira que sempre os atrapalhava. O moreno não pode ficar mais satisfeito ao avistar a mulher entrar em outro quarto carregando alguns curativos. Após um suspiro, a dupla saiu para os corredores.

Os outros enfermeiros olharam por um segundo, porém o único a falar desejou melhoras a garota. Ao se aproximar do elevador, a dupla já se animava consideravelmente. Quando as portas se fecharam, porém, viram a enfermeira-guarda-carcere entrando em seu quarto e começando a questionar os demais sobre sua localização. Agora o hospital certamente iria procurá-los.

Antes que Daren pudesse apertar o botão do térreo, Shuppet surgiu e solicitou o quinto andar. O gladiador pensou em protestar, porém lembrou-se que a pokémon estava buscando seu Nidorino. Possivelmente ela encontrou. Tal possibilidade alegrou muito o moreno.

No quinto andar não haviam muitos enfermeiros como nos andares destinados aos humanos. Shuppet voou rápido e entrou em um dos quartos. A dupla a seguiu sem pestanejar. No leito, muito mais camas do que nos leitos humanos. Pokémons realmente não eram uma prioridade. O quarto possuía espaço para 5 camas, no máximo. Porém abrigava 15 pokémons. Três vezes seu contingente.

A pokémon fantasma flutuava sobre uma Nidorina, que observava tanto a Shuppet quanto os recém chegados com um olhar intrigado. Daren, por outro lado, caminhou até um Nidorino, deixando Melissa e Shuppet confusas. Após ler rapidamente o prontuário, o moreno confirmou que aquele era o seu pokémon e que já estava bem, somente aguardando a alta. A pokébola estava na cabeceira da cama do pokémon. Realizado, o gladiador reveu seu amado pokémon venenoso, porém esse não demonstrava a mesma felicidade. A pata ainda estava enfaixada e havia algumas precauções recomendadas para o mesmo. Pokébola e prontuário pararam na mochila do homem que, sabiamente, optou por analisar tudo melhor fora do hospital.

A dupla se preparava para sair novamente, porém vozes foram ouvidas do corredor. Uma enfermeira (a mulher era realmente persistente) parecia informar alguns seguranças do pokémon do gladiador. Sair pela porta era impossível. Melissa rapidamente olhou para o quarto, em busca de um armário ou banheiro para se esconder. Sem sucesso. Havia somente camas e pokémons adoentados. A única saída, que não os levaria de volta ao leito com um segurança para evitar novas fugas, era a janela e a saída de incêndio, rumo direto a um beco.

Antes que pudessem terminar de pular a janela, o celular dos dois começou a tocar e os guardas correram para verificar o que acontecia. Ao abrirem a porta, os seguranças viram a janela aberta e a cama de Nidorino vazia. Na escada, Stylist e Gladiador alcançavam o chão e fugiam desesperados do hospital. Sem tempo para trocar palavras, se despediram com um aceno de cabeça e seguiram caminhos distintos. Era mais fácil despistarem os guardas separados.

Distante do gladiador que lhe ajudou a escapar, Melissa respirava com mais calma. Era bom estar longe do hospital. Porém quando seu celular voltou a tocar, a jovem se assustou e quase derrubou o aparelho antes de atendê-lo.

- Boa tarde. - Disse uma voz masculina, grossa e austera - Estou ligando em nome do Ministro do Ouro, Zuzu, para convidar a senhorita Melissa White para o torneio em comemoração aos 50 anos da Grande Guerra e do Sacrifício de Arceus. A senhorita aceita o convite?


Última edição por Alice em Sab 28 Dez 2013, 17:20, editado 1 vez(es) (Razão : Post editado devido a ausência prolongada de um dos players. As rotas foram separadas.)
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Qua 25 Dez 2013, 13:45

Repentinamente você escuta um estranho som que lhe obriga a olhar para cima por alguns segundos, em busca da fonte, sem no entanto encontrar nada. Em seguida você olha para o chão confuso e se depara com um pequeno embrulho aos seus pés.

Uma Razão Para Viver Presente
Confuso e receoso você recolhe o estranho embrulho e lê o bilhete, deparando-se com algo ainda mais estranho.
Feliz Natal! Ho ho ho!

Cada vez mais confuso e desconfiado, você abre o estranho e se depara com um Icy Rock... É... parece que Papai Noel existe mesmo...

Uma Razão Para Viver 39

Ho ho ho! Feliz Natal!
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Éris em Seg 30 Dez 2013, 00:27

Juju saia da academia e logo libertava seu mais novo amigo: Dundee, o Totodile. Ambos sorriram um para o outro e, sem esperar por permissão, começaram a descer os degraus da escada da academia pulando um de cada vez. Ao chegar no fim da escada, a garota olhou para o pokémon sorrindo mais ainda.

- Muito bem Dundee, temos que achar a Melissa. Alguma ideia?

O crocodilo começou a saltitar e logo a dupla seguia pela rua em direção ao hospital. Ciente da doença da prima, aquele era um bom lugar para começar sua busca. Durante a caminhada, a Stylist dizia em voz alta o nome dos pokémons anotados em seu bloquinho e que ela desejava capturar. Enquanto pensava em como adquirir as pokébolas, o telefone tocou e Julia o atendeu prontamente.

- Boa tarde. - Disse uma voz masculina, grossa e austera - Estou ligando em nome do Ministro do Ouro, Zuzu, para convidar a senhorita Julia Black para o torneio em comemoração aos 50 anos da Grande Guerra e do Sacrifício de Arceus. A senhorita aceita o convite?

- Um evento? É claro que to dentro!

Antes que desligasse o telefone, Juju escutou um alto e sonoro "Vai se ferrar" vindo tanto do telefone quanto do beco mais a frente. Reconhecendo a voz e imaginando que a prima estaria recebendo a mesma ligação, Julia informou ao atendente que o xingamento era o sim de sua prima, feliz com a compreensão dele e a confirmação da inscrição da outra. Após desligar, a mais alta correu para o beco sendo seguida de perto por Dundee e, sem olhar duas vezes, pulou na mais baixa.

Melissa, que não sabia que sua prima estava na cidade, gritou alto quando sentiu um corpo colidindo em si e a derrubando no chão. O celular da White voou longe e por pouco não se quebrou. Após o susto e ainda confusa, Melissa começou a questionar o que Julia fazia na cidade.

- Hora essa, sua boba, eu to aqui pra viajar contigo. Isso não é legal? Olha só, tenho até meu primeiro pokémon. Dundee, dá oi pra Melissa.

E totodile fez isso... Com um jato da água.

- Ele não é fofo Mel?

- Muito fofo... - Respondia ironicamente.

Shuppet, que até pouco tempo estava preocupada, caiu no chão rindo da Stylist.

- Então Mel, o que faremos agora? Vamos caçar Skittys? Purrloins? Já sei: Murkrows! - A mais alta começava a listar feliz.

- Espera Juju, eu preciso ir pro metro primeiro. Tenho um egg me esperando lá.

- Um egg? Deve ser tão lindo! Vamos logo!

Julia já se colocava de pé e começava a arrastar Melissa que, após alguns passos desajeitados, visto que não esperava correr tão cedo, acompanhou feliz pela companhia. Totodile já disparava na frente, tendo de voltar às vezes por não conhecer o caminho e esquecer uma curva. Shuppet voava atrás, mas mais entristecidas pelos doces que passavam e ela não tinha tempo para pegar.



off: a partir de agora a narração será:
juju > narrador > mel > narrador ....

Personalidade do totodile:
Incrivelmente alegre, energético e infantil, gosta de saltar e dançar com Julia, imitando tudo o que a menina faz. Gosta de ficar na cabeça de Julia, com um pé em cada ombro da menina e as patas da frente apoiadas na cabeça. Tem o péssimo hábito de dizer olá com um jato d'água. Comilão, limpa a mesa de refeições se é deixado sozinho, não deixando nenhuma sobra. Só não é gordinho por causa da correria que nunca cessa.
Éris
Éris


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Dria Galfin em Seg 30 Dez 2013, 23:19

Era estranho como duas pessoas diferentes poderiam ser da mesma família, a altiva e alegre Julia contrastava incrivelmente com a pequena e frágil Melisa, era exatamente como seus nomes dizia Black e White primas mas ao mesmo tempo tão distantes e diferentes.

Caminhando pelas ruas de Nyender na companhia de seus pokemons rumando na direçao da estação de trem, assim que as duas chegam a movimentação de passageiros e viajantes dificultaram um pouco a movimentação das primas enquanto Dunndee por medo de se perder se pendurava na cabeça de Julia mordiscando de leve e bagunçando o cabelo negro e liso de sua dona, até mesmo o pokemon fantasma não conseguiu ficar séria diante dessa pequena brincadeira.

Melissa rapidamente se identificou na recepção da estaçõ recebendo sua encomenda, duas pokebolas contendo dentro dessas um pequeno Murkrow e uma rosada Skitty, alem de 3 cds brilhantes que ensinariam seus pokemons golpes novos, 3 itens e o mais importante entre eles 1 Egg grande e quente que com o tempo eclodiria revelando o pokemon misterioso dentro deste.

Assim que as duas foram liberadas da estação um pequeno vibrar pode ser sentido no celular das duas com o recebimento de uma pequena mensagem.

Atenção todos os Competidores do Grande Evento de 50 anos deverão se apresentar na praça principal de Nyender para pegarem o Helicóptero até Twister.

Agradecidamente Zuzu.
Dria Galfin
Dria Galfin


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Qua 01 Jan 2014, 05:10

Após sair da estação de trem, as primas Melissa e Julia foram abordadas pelo mensageiro de Zuzu, um homem de terno que as guiava até o helicóptero que as levaria à Twister City e, consequentemente, ao evento mais esperado. Enquanto Julia entrava saltitando na nave, Melissa era mais cautelosa. Porém em poucos minutos estavam no céus e, a ambas, só restava esperar o pouso.


Rota trancada para o evento dos 50 anos de Shinki.
Até o dia 10 ela será destrancada.
A staff agradece a compreensão.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Alice em Sab 11 Jan 2014, 23:15

Juju pulava para fora do helicóptero com Dundee em sua cabeça. Melissa, um pouco/muito mais calma que a prima, descia logo atrás. Ambas respiraram fundo e se olharam. Estavam de volta em Nyender, mas nunca esqueceriam o torneio do qual participaram.


Rota reaberta.
Parabéns pelas batalhas no evento.
A staff agradece a compreensão.
Próximo a postar: Player
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Érica em Seg 13 Jan 2014, 00:45

Julia e Melissa desciam do helicóptero. O torneio havia dado as duas jovens grandes experiências. Melissa respirava profundamente o ar de Nyender, estava orgulhosa de seu desempenho, estando na 4° posição, sendo que eram suas primeiras batalhas. Juju parecia nem recordar do torneio, correndo enquanto olhava sua lista de monstrinhos que devia capturar em Nyender.

A mais baixa suspirou, observando em seguida sua Pokémon. A fantasma voava de um lado para o outro, procurando algo para fazer. A garota abriu sua mochila, pegando as TM que possuía, chamando Dundee e Shuppet, sem Juju notar no entanto.

Totodile, louco como sua mestra, respondia sem questionar o chamado. Shuppet se aproximou curiosa, querendo saber o que a garota desejava. A fantasma ficou com os olhos brilhando ao visualizar os CDs que continham os ataques. Dundee, no entanto, tentou morder uma TM, querendo comer.

-NÃO É PRA COMER!!!!

Melissa repreendeu, sendo ignorada. A garota firmou o pé na barriga do Pokémon aquático e segurou a TM com força, puxando enquanto o pé mantinha Totodile afastado. A luta intensa demorou alguns minutos, ao ponto de Juju sentar-se no chão, Shuppet em seu colo, ambas assistindo o “combate”. A menor vencia, fazendo o crocodilo soltar e, por sorte, a TM estava intacta. Dundee não parecia sentir remorso, pulando e tentando morder novamente o objeto.

-Juju, se Dundee não se comportar, não ganha ataque novo!
-Dundee, comporte-se.

Tododile ficou quieto. Estava sentado no chão, encarando a TM, com olhar pidão. Melissa resmungou baixo, massageando a fronte sem acreditar na “represália” de sua prima. Shuppet gargalhava da cena. Melissa pegava a TM Blizzard, Protect e Toxic, ensinando para o crocodilo de sua prima, embora tivesse que afastar rapidamente os discos, antes que fossem mordidos. Depois foi a vez de Shuppet, que recebia as TM Psychic, Shadow Ball, Thunder Wave e Double Team, esquecendo o ataque Knock Off.

-Juju, Dundee agora sabe três golpes novos: blizzard...

White não teve tempo de terminar. Sua prima havia se jogado em cima dela e a abraçava, não permitindo a menor respirar. Totodile pulava alegremente, usando o golpe de gelo aleatoriamente nas árvores, flores, fontes e pessoas, querendo testar, enquanto Shuppet, pra variar, gargalhava da situação da Stylist e das pessoas congeladas.

Após algum tempo, Melissa finalmente conseguia afastar Julia, tomando fôlego. A menor reclamava e dava um sermão na morena, que ainda comemorava com seu Pokémon o novo ataque. Melissa novamente levou a mão ao rosto, sem acreditar na bagunça que Totodile fazia. Ela ficou pálida ao ver o crocodilo se aproximar de um cadete, mas por sorte, ele apenas dava oi e se afastava. Dundee tinha algum amor a vida pelo menos...

-Juju, tem mais duas coisas...

A Stylist chamava a outra, alcançando a pokébola de Skitty para a morena, logo em seguida o segundo egg que possuía. Julia olhava os dois itens sem acreditar, o gato que desejava capturar e um ovo misterioso. Ela jogou os dois para o alto e, novamente, pulou em Melissa dando um abraço que, pela visão da outra, parecia mais uma tentativa de estrangulamento.

O egg era salvo pelo crocodilo, já que Shuppet estava incapacitada, gargalhando no chão e chorando de tanto rir. Já a pokébola atingia o chão e liberava Skitty. O gato tentava pular na cabeça de Melissa, os olhos brilhando ao ver os longos fios pálidos, no entanto, era agarrada no ar por Julia. A gatinha esperneava, as patas esticadas tentando agarrar o cabelo que tanto adorava, enquanto Melissa a provocava, balançando uma pequena mecha bem próxima, mas ainda assim, longe de seu alcance.

White sorria travessa, enquanto olhava o desespero da gata, mas logo vasculhava a bolsa, verificando se não havia esquecido nada.

-Ai, vamos ter que voltar pro trem, esqueci uma coisa lá!
-Então tá!

A morena dizia sem prestar atenção no que a outra falava, ocupada em esfregar o rosto nas costas de Skitty. Melissa guardava o ovo, agora de Juju, na bolsa da mesma, junto com a esfera de Skitty. Dundee pulava para o pescoço de Juju e finalmente parava de congelar objetos e pessoas na rua. Shuppet, quase passando mal, foi recolhida do chão e era carregada no colo por Melissa.

White, aproveitando que Skitty estava exausta e parava de tentar agarrar seu cabelo, ensinava Swift para ela, contando para Juju os outros dois ataques de Dundee, entretanto ela teve que sair correndo depois, já que sua prima resolveu abraçá-la de novo. A “caminhada” até o trem seria rápida... Skitty saltava e se agarrava na bolsa de sua nova mestra, pra não ser deixada para trás.
Érica
Érica


Voltar ao Topo Ir em baixo

Uma Razão Para Viver Empty Re: Uma Razão Para Viver

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum