º Don't stop me now º

Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Dom 31 Jul 2016, 00:33

Abraçou seus pais fortemente antes de embarcar no trem, recebendo dicas de sua mãe para que telefonasse quando chegasse em segurança em Nyender, concordou, mas sabia que certamente iria esquecer (e talvez a outra mulher tivesse uma noção disso). Demorou-se em embarcar, apesar de tudo, ainda sentia um nervosismo ao iniciar uma jornada em busca de uma profissão e ter tanto contato social como uma Stylist iria chegar a receber. Ajeitou suas coisas e adentrou no trem, abanando uma última vez para seus familiares e passando pelos bancos, ignorando a todos por ali.

Não tinha exatamente muito o que fazer ali além de olhar a paisagem ou ler alguma coisa, então preferiu extrapolar as opções, acomodar-se abraçando em sua bagagem e tirando um rápido cochilo forçado, pois não tinha exatamente sono. Sua mente ainda trabalhava enquanto estava de olhos fechados e o corpo relaxado, matutando sobre suas conquistas e desafios que poderia enfrentar ao sair de sua zona de conforto.

Não havia percebido quando finalmente adormeceu com o balanço daquele gigantesco monstro de metal, porém certamente percebia a parada brusca e barulhenta. Abriu os olhos ainda meio boba e engoliu o acúmulo de saliva (que graça a Arceus não havia se babado enquanto dormia) e demorou alguns segundos para se localizar e compreender que a viagem havia terminado. Se espreguiçou preguiçosamente e coçou o olho, encarando a poltrona em sua frente ainda por alguns segundos como quem tem relutância em abandonar uma soneca tão gostosa. Ajeitou suas coisas e já se levantou para sair, afinal, a última de suas pretensões era causar problemas para os demais passageiros ao atrapalhar o seu caminho.

Saiu da estação e olhou os seus arredores como uma verdadeira turista. A mudança de cenário, o movimento "da cidade grande", até os pokémons que corriam nos becos eram diferentes e uma vontade infantil e absurda lhe bateu em brincar com eles por aí. Será que haviam mais crianças que faziam isso?

Caminhou sem muita pressa, observando os locais, mas não exatamente os memorizando, apenas estava curtindo a sensação de não ser dali, como se tudo fosse novo, diferente e isso a instigava a "provar". Queria saber o sabor dos restaurantes dali, onde seria melhor para se tomar um café, se aquele fluxo era comum no dia inteiro ou apenas naquele horário, que outros tipos de pokémons haviam ali ou aqui. Enfim, gostaria de conhecer a cidade e o faria após o seu teste na academia, algo que perguntando para alguns cadetes, conseguiu encontrar (mesmo errando algumas ruas, desacreditando outros e tendo de questionar outra pessoa).

Adentrou na área mais arborizada da academia, avistou os jardins de grama aparada e não sabia direito como lidar com os cadetes dali. Os que perambulavam pela cidade era normal, apenas conversar como qualquer pessoa (talvez não os visse como "qualquer um"), porém, dentro de seu "habitat natural", tinha medo de ser desrespeitosa e pensava se tinha de bater continência para eles. Ou manter uma conversa formal. Começou a tremer um pouco e mordeu o meio do lábio superior enquanto fazia beicinho e pensava em como não trazer problemas para si ou eles.

No hall de entrada, havia uma grande estátua, chamativa e era fácil ver que aquilo era uma espécie de incentivo. Mostrar para os recém chegados sua dominância, seu poder. Aos já formados, que pudessem desmotivar com as dificuldades do dia-a-dia (como as dores de cabeça que causava ao se perder e pedir ajuda para eles quando era pequena) de seu emprego, a imagem de domínio ali era algo que poderia renovar os espíritos. E claro, abrir um sorriso para os mais velhos, aqueles veteranos que já enfrentaram coisas únicas, que poderiam apenas serem lembradas por eles a menos que fossem escritas, mas certamente não seria o mesmo que vivenciar o que passaram. Ficou parada um momento contemplando aquele grande persian e curvou-se em profunda admiração por eles, talvez mais por saber que jamais teria a coragem de ter a vida que levavam.

Já estava começando a se demorar demais por ali, então perguntou para algum dos cadetes que passavam por ali onde poderia se inscrever para o teste de Stylist e tendo sua dúvida sanada, curvaria-se batendo continência, erguendo-se logo em seguida e agradecendo verbalmente e logo em seguida dando as costas e saindo dali.


- Olá! É aqui que se faz o teste de Stylist? Preciso retirar alguma ficha? Eu devo esperar em algum lugar? - Estava um pouco nervosa e falou um tanto rápido, logo levando as duas mãos em frente a boca para calar-se visualmente e inspirando, apenas retirando as palmas para expirar para se acalmar (um cigarro agora cairia muito bem). - Desculpe. Estou um pouco estressada com isso tudo. Perdoe-me se tomei desnecessariamente o seu tempo. Estou aqui para me tornar uma Stylist.
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Qui 04 Ago 2016, 21:47

Off: Menina, muito obrigado pela sua paciência XD
Estamos trabalhando para manter a ordem na casa. Com a volta do Yoshiki semana que vem, com certeza irá melhorar muito )o)
Off²: Pergunta= Isabelle é sua amiga na vida real? =)



Cattleya Dehan chegava na capital. A cidade era um pouco maior que Chermont e embora, normalmente, o humor de Nyender fosse um pouco melhor do que a da sua cidade natal, os últimos acontecimentos não permita muitos risos. Mesmo embora de uma esfera de humor negro e solidão, Dehan não conseguia se controlar em saber que estava finalmente na cidade de flor-de-cerejeira e se maravilhava com tudo. Queria conhecer, explorar e vivenciar uma vida como aquela, em que viajava para diversos lugares e Nyender seria a primeira.

O frio dominava a cidade, tanto no coração das pessoas desconfiadas, como no clima. Talvez um fosse reflexo do outro... Os últimos ataques armagedons e apocalipses na cidade, na capital, trouxe para os habitantes muita desconfiança, que outrora se consideravam intocáveis. Mas toda ação vinha com uma reação e a reação do momento era o dobro de cadetes em rua, toque de recolher às 21 horas e um pouco de muita pressão.

Apesar de não ser culpa da cidade, e sim do momento em que ela estava vivendo, Cattleya mal percebia a falta de educação de alguns cadetes, nem na indelicadeza de alguns deles de explorar a bolsa dela para saber se tinha licença pokémon ou algum Pokémon, quem sabe... Mas no fim (depois de muito trabalho), conseguia a localização da academia de polícia, que na verdade não ficava muito longe da estação, o que deixou uma bela caminhada para a loira.

As ruas estavam ainda inundadas por algumas pétalas rosadas, enquanto as cerejeiras apresentavam-se desnuda por conta do clima de inverno. O chão parcialmente molhado por uma possível garoa de madrugada se tornava escorregadio e com poucas poças d’água, em especial nos degraus que levavam para a porta do prédio bege que era a academia. Deixando o grande Persian de mármore sobre o globo terrestre do lado de fora, Cattleya entrava no prédio mais protegido da cidade (depois da casa do presidente) e lá percebia o movimento e o mesmo clima frio, bem parecido com Chermont.

Taillows mensageiros voavam de um lado para o outro, levando relatórios, documentos ou até mesmo missões. Pessoas iam e vinham em uma velocidade agonizante. Pareciam não estarem dispostas a “perderem tempo”. Sendo orientada a seguir para o segundo andar, a jovem se apresentava para uma mulher de cabelos longos e negros, com óculos vermelhos afinados nas pontas e olhar penetrante, embora aparentemente cansado.

º Don't stop me now º CeO38UG

- Stylist?! – suspirava, não por desapontamento, mas talvez por cansaço. Olhava de lado para um relógio arredondado ao lado da parede e percebia que marcava 14h33m. – O teste vai começar em 27 minutos... Comandante Darbas está a caminho... Preencha aqui...

Era bonita, com certeza aquela cadete, com uniforme impecável, mas que parecia estar sendo acometida de um número maior de trabalho do que o normal. A cara fechada parecia descontente com o que ocorria em Shinki, mas ainda cumpria suas ordens com bastante disciplina. Entregando o formulário para a jovem, esperava que ela escrevesse...


Nome:
Cidade Natal:
Data de nascimento:
Classe:
MOTIVO:
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Sex 05 Ago 2016, 19:33

Off.: Isa é minha abiguinha sim s2





A bela cadete que a atendia estava claramente cansada e pelo movimento daquele lugar, era de se esperar que assim se encontrasse. Não era de seu intuito meter-se na vida dela e questionar sobre a situação local (apesar da curiosidade ser grande) e gostaria de elogiar a beleza dela em meio ao stress, conseguir ainda manter-se "formal" para seus deveres, mesmo que seu estado de espírito com certeza necessitasse de uma pequena pausa.

Recebendo em mãos a ficha, abriu um sorriso tímido e procurou uma caneta que pudesse usar, nem que tivesse de se escorar na mesa para fazê-lo. Se recebesse uma da mulher, abaixaria a cabeça de leve em agradecimento e distanciaria-se dela, sentando-se em algum local próximo para que pudesse usar de seus 27 minutos restantes para preencher o que tivesse de ser feito.

Para sua surpresa, a ficha não era grande, mas tinha uma perguntinha bem trivial, que era a motivação que a levara a ser uma Stylist. O que era básico já havia sido feito, mas aquilo... aquele item a ser descrito acabara por deixá-la pensativa, mordendo a caneta de leve enquanto matutava em o que realmente responder. Era mais difícil do que imaginava.

Largou a caneta sobre a ficha, fechou os olhos, respirou fundo, trancou a respiração e enfim a liberou, acalmando-se. Não valia de nada fazer aquilo com pressa e responder qualquer coisa, não dando valor a representatividade que era a carreira que almejava. Avaliou e refletiu um momento e acabou por pensar em sua chegada em Nyender, as pessoas que eram representadas pelo seu clima árido, frio. Estava acostumada à sua terra natal, onde as pessoas também eram um tanto reclusas, introvertidas (e não podia dizer que também não era). Apesar dos pesares, dos problemas que possivelmente todos passavam, a cidade permanecia bela, em pequenos detalhes que para os moradores deveria ser algo tão costumeiro, que está sempre ali e acabou por não mais surpreender por tornar-se algo comum e simples, o que ainda não tirava a beleza do local. Encostou a caneta na folha.



Nome: Cattleya Dehan
Cidade Natal: Chermont
Data de nascimento: 20/02/34
Classe: Stylist
MOTIVO: A felicidade não é exatamente algo que acontece em nossas vidas. É um lapso, algo simples que passa por nós, deixa uma sensação gostosa e rapidamente some. Passamos maior parte vivendo em tristezas, problemas ou neutralidade, pequenos momentos do que podemos dizer que desfrutamos de prazer. Existem doenças (depressão, bipolaridade, esquizofrenia) que nos deixam infelizes, mas nenhuma que possa ser dito que reage em nossos cérebros como uma corrente elétrica que causa aquela euforia gostosa de um momento bem aproveitado.

Não quero dizer que como uma Stylist eu seria um remédio para todos os descasos, mas a felicidade deve ser compartilhada. De que adianta ser feliz sozinha? Egoísmo de minha parte desfrutar de algo tão frágil e ligeiro, um momento que preenche e me motiva a fazer o que gosto, ou mesmo (e mais importante), do que desgosto. Ver o sorriso no rosto de qualquer pessoa, de saber que apesar de tudo que alguém já passou, da tristeza da perda, das dores da vida, de alguma doença, ainda se permite abrir um sorriso de alegria, contagiada por um motivo que não partiu do nada, que, se me for concedida, terei a possibilidade ser a causa e propagar tal sentimento tão importante e deveras esquecido em meio ao caos e guerras (internas).

Eu não sou "Chermont" e quem lê não é "Nyender" ou onde quer que tenha nascido. Não há motivos para discriminação ou ódio, todos deveriam ter a oportunidade de desfrutarem a felicidade, algo momentâneo, mas que no final do dia, quando chegar em casa, que consiga olhar para trás e pensar em como valeu a pena, em como foi divertido ter saído, feito suas cansativas obrigações e mesmo assim, ter um acontecimento em suas vidas que motivaram, que deram forças que se esvaíam a medida que eram surradas constantemente pelos seus trabalhos ou o que quer que implique em seu humor.

Minha primeira impressão dessa cidade magnífica, da qual sempre me falavam de suas belezas e é o que é mais mostrado em fotografias ou comentado por aí, fora algo duro, uma população semelhante a minha e fechada pela desconfiança e sobrecarga. Muito deve ser feito e espero, de todo coração, que em um momento de lazer, que quando deitar na cama para dormir, quando forem jantar com suas famílias ou mesmo em uma pacata solidão, que não tenham a mente ainda no trabalho ou no que deverá ser feito no outro dia, prolongando os deveres para dentro de casa e formulando sua vida em algo sólido, uma casca agonizante de repetições. Tenho esperança que todos, no aconchego de suas moradias, possam enfim descansar, dar atenção para a família, ouvir aquela história repetida ou os descobrimentos bobos e já há muito conhecidos pelos mais velhos, que é a alegria de ser relatada por uma criança que teve tal descoberta no dia, que sonhem, que não almejem algo, sem objetificação, mas da vivência. Nyender é uma cidade bela e acredito que seu povo também.

Obs.: Você é muito bonita, moça.


Escreveu a observação no calor do momento e quando finalmente pontuou, sentiu um vazio em seu interior ao pensar que talvez não devesse ter colocado aquilo. A ficha poderia ser algo oficial e deixar aquela marca poderia trazer problemas, tirando a legitimidade do documento. Tentou passar o polegar por cima como se faz para apagar escrituras de lápis, esfregando com a pele para esfarelar o grafite, porém contra a tinta de uma caneta, apenas borrou um pouco e isso a fez ter batimentos um pouco mais rápidos pelo nervosismo que sentia.

Levantou-se um tanto robótica e se aproximou para a cadete e assim que entregou a ficha, com um amigável sorriso, notou que tremia um pouco. Frio? Não, apenas com o sentimento de que havia cometido um grande erro e também por achar que fora um pouco demais o que havia escrito. E se eles apenas quisessem algo rápido, poderia ter encurtado seus pensamentos. Fungou para disfarçar o que sentia, tentando enganar a outra como se estivesse gélida, apesar do grosso casaco negro que trajava. Sua face enrubesceu e assim que havia entregue o papel para a outra, dera as costas para ela e retornou para o local onde houvera preenchido o documento e aguardou por segunda ordem, onde iniciaria o seu teste.

Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Seg 08 Ago 2016, 00:23

Off: Que legal! É interessante jogar com amigos )o)
Pretendem viajar juntas? =)


A jovem recebia uma tarefa, enquanto o tempo tinha que passar. Cattleya recebia o documento e usava a caneta azul em sua bolsa para poder preencher o documento. A cadete, embora cansada, mantinha seus afazeres, que naquele instante pareciam se resumir em separar documentos. Diante de sua tarefa, era interrompida algumas vezes por novas pessoas que chegavam ali, para poder participar do teste também.

A loira continuava a sua dissertação, enquanto via cada um chegar. Primeiro, foi uma garota simpática, cabelos rosados e curtos, uma tatuagem no braço direito, em forma de estrela azulada. Sua blusa sem manga ajudava a enxergar a tatuagem toda e a levantar questionamentos de como uma jovem como ela conseguia andar por ali com aquela blusa, mesmo fazendo tanto frio em Nyender. O segundo foi um loiro, alto, olhos claros, auto confiante e, diga-se de passagem, bem bonito, seja pelas suas características físicas, seja pelo charme que tinham em entrelaçar seus dedos entre os fios lisos de sua cabeça. Depois veio um gordinho um pouco desajeitado. Na hora em que esse pegou a ficha, acabou derrubando algumas canetas no chão, mas que logo foram recolhidas por ele, sob pedidos de desculpas.

Cattleya permanecia escrevendo. Até se empolgou um pouco, sendo que mesmo sendo a primeira a começar, ela foi a última. Talvez fosse porque o banco acolchoado da sala da secretária não ajudava muito, porque não tinha apoio, a não ser o seu bloco de notas na bolsa. Mas no fim, ela conseguia entregar. A secretária leu de todos, deixando a da loira por último. Um sorriso sem querer era deixado escapar da cara da morena uniformizada, que mesmo cansada, deteve-se em não ter relações muito próximas com os jovens.

14h57m. Faltava pouco para o inicio do teste propriamente dito. A secretária erguia o telefone e pedia uma oficial (parecia que o nome era Eva) para se apresentar na sala de recepção do comandante Darbas. O estranho era que o comandante atual não estava por ali, ou estava trancada em sua sala particular. O silêncio reinava na sala, enquanto todos mantinham-se sérios (o gordinho mais nervoso).

- Aff... Espero que não demore muito... – comentava a rosada, bem pensativa com tudo o que estava acontecendo. Não demorava minutos, até que a porta se abria. Uma menina (ou era mulher?!) com seus longos cabelos castanhos, bem lisos, aparecia. Seu uniforme era tão bem conservado quanto da secretária. Sua face de garotinha escondia a verdadeira idade dela, mas com certeza tinha mais de 18 anos, pois era cadete também... Ela trazia consigo uma bandeja com várias esferas bicolores, vermelhas e brancas, todas na forma diminutas e deixava na mesa da secretária. Era bem feliz e deixava transparecer isso, fazendo oposição ao humor comprometido da cadete-secretária, por horas de sono que faltavam.

- Quais são os Pokémons que vocês irão escolher?! - perguntava.


Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Seg 08 Ago 2016, 12:01

Off.: Era o objetivo inicial, mas as regras dizem "nein", então... veremos. Até por ela ser Gladiator e eu Stylist, quebra um pouco =/
Off.²: Sorry pela imagem gigantesca, ainda estou apanhando com esses code que a Isa fez D':<





Cada pessoa que se aproximava para pegar uma ficha, Cat parava e olhava, ajeitando os pensamentos em sua cabeça e divagando um pouco na aparência dos outros. Eles poderiam ser seus rivais no teste, mas eram pessoas e não exatamente inimigos, apenas concorrentes de algo que não necessariamente precisava ser levado ao pessoal. Poderia fazer amizade com aqueles desconhecidos? Não estava procurando por isso, mas mal seria existente se florescesse alguma por ali. Sorria para cada enquanto fechava os olhos e inclinava um pouco a cabeça em um "olá" silencioso e inocentemente amigável.

A garota de cabelos rosados trajava roupas curtas para a temperatura e sentiu frio só de olhá-la, encolhendo-se um pouco em seu casaco e se perguntando se ela era algum tipo de esportista para não ter problemas com o frio daquela maneira. Logo em seguida se aproximou um homem elegante e com jeito de confiança, algo bonito de se ver em qualquer sentido, talvez torcesse para ele se não fosse uma das "competidoras". Sem delongas, apareceu um terceiro, este um tanto mais desajeitado como um carvão na espera de ser transformado em um diamante; derrubou algumas canetas (talvez por culpa do nervosismo) e para demonstrar um pouco de segurança para ele, deixou a sua ficha em cima do sofá e se levantou sem demora para ajudá-lo, aproximando-se para ajudá-lo, porém ele já havia recolhido todas, não sabia exatamente como não constrangê-lo mais ou em um caminho totalmente contrário, colocar pressão com a sua presença ao lado dele, decidindo então apenas oferecer a mão para que ele se levantasse ou mesmo, segurar as canetas para que ele não derrubasse todas a medida que se erguia novamente, finalmente, auxiliando-o a ajeitá-las em seu devido local de repouso.

Apesar de ser confiante em querer ser uma pessoa agradável para os demais, não tendo problemas algum com a interação social naquele nível, ainda assim tinha uma certa ansiedade em lidar com os outros, ainda mais após ter colocado tanto de si, permitindo que a cadete que ali estava em sua prévia avaliação, adentrar um pouco em sua mente ao ler seu texto e isso era o suficiente para se sentir exposta e desprotegida, tremendo um pouco de nervosismo ao saber que estava sozinha naquilo. Não tinha amigos de infância ou de longa data que pudesse se apoiar neles, estava independente ali e isso era o suficiente para deixá-la um tanto sem ar, usando como mecanismo de defesa seu casaco enquanto respirava fundo, aquecendo as bochechas em meio aos pelos sintéticos e escondendo um pouco o rosto.

Todos então devidamente apresentados para a cadete que trajava a máscara de uma mera figura social e não uma pessoa como todos ali, ela ligava para uma oficial e apenas aguardavam mais um pouco. Olhou no relógio da parede e pensou que havia tomado tempo demais escrevendo, não que fosse um problema, muito pelo contrário, o passou o tempo inteiro da espera em meio às suas palavras e isso era bem melhor do que simplesmente ficar sentada ali aguardando indefinidamente. Enquanto aguardavam que a próxima oficial se aproximasse, colocou as mãos juntas em meio às coxas e friccionou um pouco para formular calor e deixou-as ali mesmo, se não estivesse em um local fechado, com certeza já estaria com o capuz. Apenas fechou os olhos como se saboreasse os sons ao seu redor.

Ao serem chamados, não por seus nomes ou com alguma formal entrada, receberam uma direta pergunta de qual seria o monstrinho inicial da preferência de cada. Abriu um sorriso animada, pensando em todos os anos que passou brincando com os selvagens de dentro da cidade, mas que nunca teve a oportunidade de ter um companheirinho que pudesse chamar de seu. Ergueu-se, porém fora detida por si mesma, retornando ao seu local, dando espaço para que os demais escolhessem primeiro e se o terceiro fosse ainda mais tímido, tiraria forças para falar decidida como uma verdadeira líder, tentando mostrar para ele que não havia problema.


- E-eu gostaria de um Tepig! Por favor... - Ok, não saiu exatamente como havia planejado. Em sua cabeça, havia imaginado que teria uma fala e voz forte, assim como uma postura que remetesse a uma verdadeira líder, o que com certeza não era a realidade. O som produzido iniciou-se como alguém confiante, mas que logo foi morrendo aos poucos e terminou como uma fala normal, como se apenas houvesse ela e a cadete ali, anunciando de uma forma que talvez apenas ela pudesse ouvir. Talvez não devesse se esforçar tanto em ajudar os outros quando quem precisava também era ela mesma. Inexistente fora a vergonha ali (apesar de avermelhar um pouco as bochechas), sorriu para ...Eva? Era esse o nome dela, certo? Procuraria um crachá de forma não muito discreta, deixando claro que procurava saber.

Estava de pé de forma que respeitasse quem também o estivesse e não sendo desleixada em falar sentada, aproximaria-se assim que lhe fosse permitido o porquinho. Seu conhecimento sobre pokémons, apesar de tudo, não era tão vasto assim, apenas conhecia os iniciais e os que via nas ruas, normalmente se impressionando com evoluções. Pegaria a pokébola designada para si e sentia uma vontade absurda de liberar o pequeno ali mesmo, conhecê-lo, porém ainda estava em uma academia e o ambiente com certeza estava meio alvoroçado, logo, não causaria problemas, apenas guardaria a pequena esfera em um bolso, passando o polegar como se fizesse carinho no material e já imaginando que nome daria à criatura.

Sua mente estava longe de um atual teste, agora que já estava com um inicial em mãos, já sentia a própria Stylist, distraindo-se um pouco e tendo uma reação lenta se chamada para irem a outro local (como uma sala para se aplicar provas ou um ginásio de esportes para que pudessem conhecer e apresentar-se em um improviso com seus novos companheiros), mas seguindo-os assim que notasse a movimentação.

Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Ter 09 Ago 2016, 00:24

Off: Te compreendo perfeitamente XD Esses codes não são comigo =)
Tepig - level 7 - Moves na ShinkiDex


Em suas aventuras nas palavras, Cattleya se emergia em um mar de sentimentos, todos sinceros o bastante para convencer qualquer um. A cadete que estava guiando a iniciação de todos parecia bem séria, não que fosse chata, ou fechada, mas era profissional (e estava visivelmente cansada no momento). A respiração de todos ali era bem tensa. Cattleya até tentava ajudar o gordinho que chegava meio desajeitado, mas não foi preciso, recebendo um sorriso dele de agradecimento pela preocupação. Ao redor, o loiro sorria, dessa vez de deboche. Ele parecia ter desprezado a ação da aspirante loira em ajudar o seu concorrente. O que tinha de bonito por fora, tinha de feio por dentro...

A rosada só observava. Tinha um rosto que não poderia julgar, a não ser sua preferência por não sentir frio, afinal, portava vestimentas não tão quentes. Com a entrega de todos e o falar dos Pokémons de cada um, a loira pareceu perdida em suas palavras, não entoando o sentimento que ela queria. Aquilo levantou mais um riso do loiro, que pareceu ver em Cattleya uma presa fácil. Enquanto a rosada, ela ria. Não um riso de deboche, mas um de confiança. Algo que transmitia um: pode ter confiança, que vai dá tudo certo!

A cadete saia, pedindo para que o quinteto a seguisse. Portava algumas pastas e folhas nos braços – inclusive a ficha de inscrição de todos. Nos corredores movimentados dos cadetes, toda hora o grupo tinha que se desviar de um oficial apressado, ou um Taillow que fazia um voo muito baixo por ali. Esses passarinhos deveriam ter uma via aérea melhor posicionada ali dentro!

Eles seguiam descendo as escadas. Cada um com a esfera na mão, ou no bolso, ou bem protegida, como se não deixasse ninguém tirar deles uma vez mais. Seguiam caminhando para uma porta aos fundos, deixando a academia para o frio da capital. O vento parecia dá as boas vindas para o grupo, mas a rosada, mais uma vez, ignorava. Seu corpo bem definido era até invejável. Mais bonito e musculoso do que a da cadete, que possivelmente recebia treinamento de resistência para isso, no entanto, a rosada com certeza tinha um preparo físico melhor (e era bem mais amigável que os demais participantes).

O grupo avançava para um grande ginásio ao lado da academia e antes do dormitório cadete. Eles seguiam direto para o ginásio de chão de madeira polida, arquibancadas nas laterais da parede. Ao longe, se via uma piscina enorme, no extremo, aparelhos de musculação, dos mais variados tipos. Havia uma pista ao redor do ginásio, com linhas demarcadas para corridas e mais dois cadetes, que conversavam para matar o tempo, como se esperassem o quinteto.

- Agora é com vocês, meninos. – a secretária convocava os dois cadetes, que deixavam o papo de lado e se apresentavam para o grupo em continência para mulher. – Boa sorte...

A voz cansada da cadete para o grupo parecia sincera. Ela desejava uma boa continuidade de prova e deixava o quinteto nas mãos dos dois cadetes. Um era negro e alto, com corpo forte e definido. Seus cabelos bem curtos formava uma imagem de seriedade do homem. O seu parceiro era mais claro. Moreno, olhos escuros, um pouco menor que o negro e com posição de autoridade igual de seu parceiro, e era ele quem começava:

- Soltem os monstrinhos.

A ordem foi clara. Em um segundo, vários Pokémons assumiam o campo. Piplup ficava ao lado da rosada. Ela pareceu ter uma queda pelo Pokémon, mostrando-se bem entrosada com o pinguim, que não dava a mínima para ela. O loiro estava do lado de um Chimchar, um macaquinho curioso, que se mantinha apático. Bulbasaur assumia sendo o escolhido do gordinho, que tentava acumular coragem para o teste. Ao lado de Cattleya, a porquinha ronronava. Mas antes que os cadetes pudessem prosseguir, um grito ecoava do outro lado do ginásio.

- Eeeeei... Esperem! – solicitava a voz ao longe. Um rapaz de óculos, cabelos negros e bem magro aparecia correndo com sua mochila de lado e uma Pokébola na mão. – Eu cheguei, eu cheguei! São 15 horas ainda, estou no horário. – ele estava ofegante e mal conseguia falar entre suas palavras, onde de longe lançava sua Pokébola, aparecendo um Mudkip no chão.

- A última dupla em pé receberá a licença. – finalizava o cadete moreno.


Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Ter 09 Ago 2016, 09:07

No tempo em que houvera ajudado um dos seus rivais, o mais belo deles demonstrou que não era exatamente uma boa pessoa, alguém que com certeza não se esforçaria muito em manter o contato além dali e provavelmente ele tinha aquela atitude pro achar-se melhor que todos, não aceitando ajudas (talvez até se ofendendo), então manteria-o em sua zona de conforto, evitando proximidades, assim todos saíam dali em bons espíritos. Sorriu para ele após sua risada que não se podia deixar negar, magoou um pouco, sentindo uma pequena pressão no peito e desejando que alguém de sua confiança aparecesse magicamente e segurasse sua mão para a próxima etapa daquele exame.

Enquanto acompanhavam a mulher, vários outros cadetes passaram rapidamente por eles, acompanhados ou seguindo Taillows que também pareciam apressados e dentro da academia, tinham que tomar cuidado para desviar deles o tempo todo. Agachou-se e se abraçou enquanto caminhava rente à parede, evitando atrapalhar o caminho daqueles que trabalhavam arduamente. Era incrível que mesmo com tanto a se fazer por Nyender, eles ainda permitiam os testes, talvez por aquilo não ter um real peso? Ou será que necessitavam deles para aumentar o seu número? Poderia ponderar tornar-se uma cadete, mas com certeza não aguentaria o peso daquela vida e sua especialidade mesmo era como uma Stylist, nas artes e na beleza.

Descendo escadas, chegaram a sair da academia e ficou se perguntando aonde iriam. Desconhecia a cidade em si, mas pensava que o teste inteiro seria ali dentro, como uma espécie de prova ou algo semelhante.

O vento frio logo chegava dando tapas em seu rosto e agora era um bom momento para colocar o capuz, porém não o fez. Olhou para aquela de cabelos cor-de-rosa e apiedou-se da falta de trajes quentes dela enquanto a loira esbanjava com um maior que si. Não queria invadir o espaço pessoal dela, mas tentou acelerar o passo e colocar-se em uma posição que barrasse a ventania que vinha na direção dela, formulando um pouco de proteção para tal. Se a conhecesse e soube-se que poderia liberar o seu pokémon, certamente pediria para que a porquinha fizesse uma chama para colocar em algum graveto ou mesmo, apenas espirrar um pouco de fogo para que a temperatura não fosse tão cruel. Nada poderia fazer além do que já estava fazendo...

Adentraram em um ginásio bem equipado para todo tipo de treino e já eram esperados por uma dupla de homens (que batiam continência e sem saber se deveria fazer também, os imitou para demonstrar respeito diante do local que lhe era fornecido). Aquela que os guiava, agora desejava que todos ali tivessem sorte no decorrer do teste e sem qualquer outra palavra, ela ia embora.


- Obrigada por tudo. Sei que são tempos difíceis e mesmo assim, conseguiu tirar um momento para nos dar uma atenção, novatos e sem muita experiência de campo. Talvez tenha sido apenas o seu trabalho, mas para mim - e acredito que para os demais - fora um ato importante para nossas carreiras. - Cat se curva para ela, talvez devesse ter feito o mesmo pela que havia ficado para trás, mas imaginava que essa de agora era a responsável por entregar as fichas para os superiores e consequentemente, avaliadas para saber o nível dos possíveis Stylists que estariam se graduando e iniciando uma jornada. Sem ela, talvez tivesse de aguardar que a burocracia fizesse alguns papéis a serem entregues em sua casa e assim, o tempo seria longo para um início de carreira.

Era engraçado ver aqueles homens de aparência tão dura e sentido de autoridade falando "monstrinhos", porém guardou o riso para si e os obedeceu, liberando (finalmente) sua porquinha que em sua primeira visão o mundo simplesmente parou. Aquela era a coisinha mais fofa que já havia visto e não pôde se conter em se ajoelhar diante dela e abrir os braços, convidando para um abraço e ignorando a formalidade do teste em si, precisava apertar um pouco aquela criatura.


- Seu nome será "Minch", ok? Espero passar nesse teste e juntas sairemos para viajar e conhecer o mundo, cantar, dança e se divertir. Tudo bem por você? - Se Minch tivesse aceitado o abraço, colocaria uma palma sobre a cabeça dela e faria um carinho de leve, a ponta dos dedos mal encostando, apenas passando até chegar nas orelhas, onde juntaria entre os dedos e afagaria com delicadeza.

Deixou-a novamente no chão e se levantou, evitando olhares por ter tido um pequeno momento de fofura com seu pokémon, mirando a madeira que estava sob seus pés e logo em seguida repousando o olhar na tepig. Parecia que a de madeixas coloridas também tinha dado uma pausa para cair de amores pelo seu inicial e olhou para ela com um sorriso, rindo em conjunto se ela também achasse graça na ação que ambas compartilhavam.

Antes de enfim terem mais instruções, um quinto rapaz aparecia, de aparência mais simples que todos e já colocando um Mudkip no campo. Olhou para aquele anfíbio e ficou com vontade de colocar o dedo na boca dele, deveria ser gelado, escorregadio, molhado e faz cócegas. Será que Minch dormiria no seu colo? Deveria ser muito confortável tê-la sobre suas pernas, encolhida e sonolenta enquanto o fogo interno de seu elemento aquecia o ambiente e a própria Cattleya e formulando uma ótima soneca. Colocou uma palma sobre as bochechas, fechando os olhos e rindo sozinha com seus pensamentos.


- Seja bem-vindo. Ainda não começamos nada, então... - Nenhum dos cadetes desferiram palavra para ele, então ela mesma o faria, aliviando o jovem de que ainda havia tempo para o teste.

Sem delongas, o menor dos instrutores anunciava que a última dupla de pé ganharia a licença, sem falar mais nada. Isso significava que iriam batalhar? Não compreendia disso e a última coisa que queria ver era Minch machucada. Aguardou que mais alguém tivesse a mesma noção e os questionasse, mas ninguém o fez, deixando a liderança para Cat (que morria um pouco por dentro de ter que lidar com isso), dando dois passos em direção deles, não queria se aproximar demais, apenas chamar a atenção.


- O que isso significa? Somos aspirantes a Stylists e não Gladiators. Teremos que lutar? Ou eu entendi errado...? Acho que... - Fazia uma reflexão enquanto falava e se achava meio idiota de ter feito ao mesmo tempo ao invés de pensar antes de agir, atitude típica de uma pessoa impulsiva, coisa que não queria mesmo ser. Ergueu um dedo e bateu na ponta do próprio nariz, insinuando que compreendia a situação lógica. Ou ao menos achava que sim.

- Minch, venha, temos que organizar uma coisinha. - Distanciava-se um pouco do grupo e se agachava para melhor conversar com a monstrinha. Olhou nos olhos dela e não pôde deixar de acariciá-la um pouco antes de iniciar suas próprias instruções. Faria uma batalha com os demais, porém, não trocariam golpes. - Iremos fazer uma pequena apresentação, afinal, isso será o que faremos de hoje em diante. Não nos conhecemos há tanto tempo assim, temos pouca sinergia em palco, mas preciso que você confie em mim. Quando eu apontar para você, solte chamas para cima, fora isso, apenas me acompanhe no ritmo. Se quiser dançar, dance, minha querida, mas esteja atenta a meus comandos gestuais. Outra coisa: se tiver medo de palco, concentre-se em mim que não importa se você errar, eu a ajudarei assim como você o fará por mim, certo? - Abraçava-a se havia compreendido, se não, usaria de outros termos, reformulando o que havia dito, tentando encaixar as palavras de forma que ela soubesse o que fazer e quando fazer. Retornaria agora para os outros.

- Eu e Minch cantaremos e dançaremos, como em uma real apresentação. Estamos disputando por um prêmio - que são nossas licenças - e isso é o suficiente para que todos deem tudo de si... né? Com licença.

Era meio ruim com interação social em si, mas apresentando-se, usaria da dica que havia dado para a porquinha, pois na verdade, ela própria tinha um pouco de medo do palco e não por não confiar em suas habilidades, mas por achar que faria algum erro (afinal, cedo ou tarde, por melhor que seja, cometeria algum) e temia que fosse fatal. Iria se concentrar em Minch, ajudá-la em sua possível dança e a deixar claro quando fosse para soltar as chamas para o alto. Juntou as palmas em seu peito e respirou fundo, preparando-se diante de todos (o que era meio constrangedor, mas não havia onde fazer aquilo de forma mais reservada). Abriu os olhos, apagando a imagem do público, imaginou-se sozinha em um palco elevado com a porquinha, abriu um sorriso para ela e antes de iniciar, curvou-se, oferecendo uma palma para a pequena e a outra era erguida.

- Me daria a honra dessa dança, Senhorita Minch? - Queria saber se ela estava preparada ou se precisava de um pouco mais de tempo e enfim, iniciariam a apresentação.

Havia uma música que sua mãe cantarolava para a pequena e jovem Cat dormir, mas que não era exatamente algo cantável e sim, apenas palavras que ela havia inventado, mas que pegava e como era "qualquer coisa", todos poderiam inventar a letra e cantar junto. Sem saber uma música que não usasse de instrumentos, preferiu cantar essa com um pequeno show de pirotecnia. Assim que Minch demonstrasse estar pronta, passaria a mão pela patinha dela e um movimento, erguendo-se, deixaria também com que seu casaco caísse e mostrando sua silhueta coberta por trajes negros, o cachecol não muito preso ao pescoço, escorregando em cada movimento, mas ajeitado rapidamente como se fizesse parte da apresentação em si. Toda vez que apontava para Minch e ela liberasse as chamas, usaria de suas mão enluvadas para enfiar as mãos em meio ao fogo e moldá-lo rapidamente antes que se dissipasse no ar, usando de conhecimento básicos sobre o ar para empurrar a flama como se o elemento também dançasse com as duas garotas.

Não sabia direito como fazer os outros caírem, mas ela em si sentiu um cansaço enorme ao cantar e dançar diante dos desconhecidos e tentando ajudar a pequena pokémon no trajeto, talvez fosse o estresse de lidar com aquilo sozinha (apesar de não mais estar, todavia tinha que demonstrar que estava no controle da situação para que Minch não se perdesse). Precisava pegar um ar e beber algo, sentia uma leve ardência nas mãos, mas era tudo em prol da arte e da beleza, do encanto que disponibilizou aos outros.

Temia não ser desclassificada por tal ato e estava curiosa em saber como os outros lidariam. Também fariam apresentações? Danças? Mostrariam suas habilidades e os cadetes diriam qual foi melhor? Só queria sair dali com Minch e ir comer alguma coisa, descansar da viagem e aliviar a cabeça. Ligar para sua mãe também, coisa que já deveria ter feito bem antes e só agora se lembrava.


Spoiler:
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Ter 09 Ago 2016, 12:07

Os questionamentos da loira persistiam, embora naquele momento, pouco se importava se fosse melhor se tornar cadete, sabendo que agora já havia se engraçado ao caminho das artes. Mas de fato, ela se mostrava ainda bem insegura, talvez tanto quanto o gordinho de cabelos crespos, o que fazia oposição ao loiro e à rosada, ambos demonstrando muita confiança. Os passos agora se reduziam aquele ginásio amplo e após o seu elogio para a cadete, que retribuía com um sorriso (forçado, mas ainda assim sincero), o loiro sorria e simulava uma tosse, onde no meio do ato “reflexo” ele dizia “puxa-saco”, tentando desequilibrar Cattleya.

Ao conhecer sua parceira, uma Pokémon fire, um pouco menor do que as demais de seu espécime e com bochechas que pareciam maior do que as de qualquer outro Tepig, Dehan abraçava e fazia um cafuné na pequena, enquanto tentava conhece-la melhor, já lhe dando um nome. O loiro, mais uma vez se manifestava. Sua fala era algo como se dissesse “não crie laços. Quem receberá a licença serei eu.” Talvez a fala não fizesse sentido para Dehan, por ser mal formulada ou por ter sido dita em meio aos sussurros.

Com a chegada do novo participante, Cattleya o recebia bem, sob o silencio dos outros. A rosada só se manifestava com um sorriso, tentando não ser tão reservada quanto os cadetes. No fim, a ordem era uma só e deixava Cattleye confusa. Como poderia só restar um em pé? A jovem decidia usar sua arte e chamava a Tepig no reservado para instruí-la. Os cadetes viam, assim como os demais participantes. Pensavam que Cattleya havia desistido, mas nenhuma palavra foi dita. O loiro era o que mais estava pronto para uma batalha e ao ver a jovem loira retornar com sua Pokémon, ela logo estava pronta para sua “batalha”.

Os movimentos cantarolados estavam em sincronia (o que era difícil, para alguém que acabou de conhecer um Pokémon). Tepig lançava suas brasas, que saiam como se fosse uma nuvem alaranjada e quente, que circulava o corpo de Cattleye, que fazia um rápido movimento com as mãos, que impulsionava a fumaça flamejante para o redor. Sua luva se queimava aos poucos, tornando-se mais escura, mas nada que ferisse a aspirante. Os demais olhavam, parecendo que estavam assistindo mesmo a peça de Dehan.

Os cadetes pareciam os mais entediados e cruzavam os braços e sentavam na arquibancada. Para eles, o que parasse ou caísse iria perder. O calor das chamas de Tepig aqueciam a loira, nada muito sério, mas que já dispensava o uso de roupas mais pesadas. Ao lado, Bulbasaur pulava no meio do “palco”, tomando mais espaço do que Cattleya e Tepig. O Pokémon grass usava suas sementes emergidas de seu bulbo e elas caiam no chão de madeira e se abriam, emitindo vários ramos de raízes pelo campo, que brilhavam amarelado. Aquilo fazia o que parecia ser um ninho de raízes e no meio dele o gordinho aparecia com Bulbasaur. De tímido, o gordinho fechava os olhos e abria a boca, revelando uma voz lírica surpreendente.


Aquilo dava uma imagem linda. Um ninho de raízes provindas do Leech Seed, que brilhava na tentativa de sugar as energias de alguém e no meio o gordinho que cantava calorosamente. A voz do gordinho era cortada pelo som que provinha de um celular. A garota de cabelos rosados estava tomando a atenção do palco. Com a música no celular, ela começava a se remexer, como se fosse primeiro um robô e demonstrava grande habilidade de dança de rua, enquanto Piplup não tinha tanto, mas tentava fazer do seu jeito. Ele usava sua pele oleosa e escorregadia para rodar no chão, como um “hip-hoper”.


Parecia que naquele lugar, haviam pessoas bem experientes. Eles conseguiam mostrar toda a sua habilidade para poder desempenhar as melhores apresentações com o pouco. Cattleya teria eu se esforçar. Como era dito, quem sobrasse levaria... Como vencer os outros? Pelo cansaço?
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Qua 10 Ago 2016, 06:25

Toda vez que o "cabeça de trigo" comentava algo de forma ríspida, sentia uma agulhada em seu peito, ou mais que isso, como se ela fosse uma vampira e uma estaca fosse colocado diretamente no coração, abalando um pouco o estado de espírito que estava e obrigando-a a se esforçar mais para manter-se sobre os dois pés. Não podia desabar diante de todos ali e era por motivos como esse que era tão reclusa dentro de sua casa, sofrendo bullying desde que era pequena e preferindo a companhia de pokémons, apesar de que no fundo, ainda acreditava que aquele homem tinha a possibilidade de ser feliz sem ter que diminuir os outros, apenas precisava saber o motivo dele ser assim.

Fizera sua apresentação (e pela quantidade de movimentos feitos, assim como o esforço, conseguia entender o motivo da de cabelos rosados trajar poucas roupas naquele frio, sentia um calor imenso em seu interior) e aparentemente não havia agradado aos cadetes, formulando um vazio em seu âmago. Havia feito algo de errado? Porque todos também não começavam a se mover? Talvez tivesse feito tudo errado e agora, seria desclassificada enquanto os outros realmente faziam o teste. Quis se impor e inovar em algo que não sabia direito e agora, sentia-se sozinha e pequena, colocou as mãos nas bochechas enquanto olhava com certo terror aos demais.

Para sua surpresa, o segundo mais desastrado daquele grupo fazia sua própria apresentação, recebendo bulbos de seu pokémon para que o acompanhasse e aquilo era realmente bonito. A voz dele também era espetacular, com certeza não era nenhum principiante, tendo estudado muito além de Cattleya para o teste e veio apenas pegar sua licença. Olhou para ele, meio cansada e abriu um sorriso de aprovação aos seus dotes.

Logo em seguida, uma música surgia do nada e vinha do celular da de madeixas rosadas que havia começado a dançar e era espetacular ver aquilo. Os movimentos que fazia com o corpo, a movimentação mecânica em que usava de toda sua musculatura e controle sobre si para impressionar os outros. Apesar de belo, sentiu-se um tanto mau diante dos dois, pois um cantava de forma maravilhosa que não dava para competir - mesmo com sua canção sem letras específicas, pois não tinha uma voz treinada que se igualasse - e a outra que tinha um domínio sobre as artes da dança, da qual mais uma vez, a loira não chegava aos pés dela naquele quesito.

Juntou as mãos ao peito enquanto mordia o lábio inferior, pensando seriamente em desistir ao vê-los demonstrando suas habilidades. O que tinha feito era algo completamente amador diante deles, tentando parecer algo grande, talvez tenha subestimado os demais ao achar que estavam todos mais ou menos no mesmo nível de atuação, não contando que poderiam existir pessoas com dons que apenas não foram aproveitados por uma licença e que agora vinham clamar por ela. Olhou para Minch e liberou um sorriso nervoso para a porquinha.

Estava ali e não podia desistir, tinha que dar tudo de si, nem que seja para ser recomendada na próxima vez que viesse. Inspirou novamente e agradeceu a Arceus pelo loiro e o último a ter chegado ali não ter entrado naquela competição, talvez os dotes deles fossem mais com a estética, como era a própria loira. Mesmo que suas melhores habilidades fossem em outros quesitos, já havia iniciado aquele e precisava mostrar um show para os cadetes que pareciam bem enjoados diante de tantos sons e movimentos corporais.

Pegou seu celular e procurou uma música (aproveitando agora que sabia que aquilo não era digno de punição) enquanto olhava para o mais convencido deles e a outra fêmea fazia sua apresentação. Sentiu uma pressão absurda, um desespero e passou duas vezes pela requerida até enfim "achá-la" enquanto ela estava já no final de sua apresentação e aproveitou para colocar uma próxima para tocar assim que a escolhida terminasse, porém respeitando o esforço da garota e o espaço para não "atropelá-la" ou fazer uma poluição sonora (que seria bem mais desesperadora). Colocou para tocar enquanto se aproximava do que partilhava da mesma tonalidade capilar, como se o desafiasse e cantava inteiramente para ele e o sentimento que ele lhe causava.




Cantava da forma mais teatral relaxada que conseguia, como se tivesse a confiança necessária para ameaçá-lo e mostrar que apesar das brincadeirinhas que ele fazia, ela era superior a tudo aquilo e se fosse necessário, colocaria-o para fora "do ringue". Ele estava mais preparado para um combate do que apresentar uma arte para todos, algo que contagiasse os envolvidos e, que em via pública, os interessados que parassem para aproveitar. Rebolava bastante enquanto caminhava ao redor dele e disparava as palavras, tocando em seus ombros como uma amante o faria para relaxar um estressado companheiro, soltando-o e demonstrando que todo seu carinho não passava de um deboche para com a pessoa dele. Terminando a música, arranharia simbolicamente as costas dele enquanto se movia para o dono do Bulbasaur com mais energia (que ia se queimando aos poucos).

Convidava-o para uma dança em conjunto enquanto apontava para Minch que liberasse chamas no ritmo e assim que ela conseguisse fazer por si, daria atenção apenas ao rapaz.

Abriria a palma e ofereceria para ele bater como em um high five, mas durante a dança, daria espalmadas na mão dele, tentando seguir o ritmo com o som próprio deles. A letra era para ele, dando confiança ao adversário que tinha uma voz belíssima e não tinha motivos para ser tão acanhado, mas mesmo assim, ainda eram rivais por ali, então cada espalmada que lhe era desferida, pelo movimento corporal da dança, dava uma empurrada sutil (esperando que ele se distraísse com a atenção e o entusiasmo) para que ele tivesse suas energias drenadas pelo seu próprio inicial.




Desconhecia (apenas não conseguia mesmo) a parte masculina da canção, mas deixaria para que os cadetes entendessem como se ela apenas fizesse a parte feminina, sobrepondo a sua voz e deixando quebrado e uma brecha para que seu "companheiro" fizesse uma tentativa, em sua própria criação para a música que era tocada e sinceramente, não esperava que ele fosse desclassificado por acharem que ele faria a parte mais difícil e no momento, tivesse esquecido de nervoso a sua parte.

Terminando essa última, daria espaço para que os demais fizessem seu turno. Se sentia fazendo uma batalha de agregação, onde iniciou com apenas uma canção, fez a rotação nos participantes e agora fazia duas e assim que lhe fosse passado a vez novamente, cantaria três e achava que suas energias se esgotariam por ali, apesar da brecha maior que teria entre cada um deles. Isso aumentaria a dificuldade aos poucos e daria motivos para que alguém realmente caísse de exaustão ou por não saber como superar o anterior.

Começava a sentir dores nos braços e pernas, afinal, não era acostumada a se movimentar tanto e já sentia mais calor, tendo vontade de despir-se um pouco mais do que além de seu casaco. Acalmou-se um pouco enquanto deixava que os demais fizessem suas respectivas tentativas. O rapaz não deveria ter muita energia por motivos óbvios e por isso preferia cantar e a outra, deveria queimar muita energia em tantos movimentos. Apostava na resistência e na simplicidade de suas escolhas, apesar não mais os subestimar, queria realmente ver o show que eles apresentariam ali.

Negligenciou um pouco a presença de Minch nesse último movimento, deixando-a apenas para o ritmo e aparência, mas tinha ideias de como colocá-la junto na próxima rodada. Sentava um pouco no chão para retomar o fôlego enquanto convidava-a para subir ao seu colo (se assim fosse permitido a pequena pausa, observando nos olhos dos cadetes para ver se eles esboçariam alguma reação) e aproveitar o show que os outros faziam.
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Qui 11 Ago 2016, 22:55

O começo era espetacular! Os aspirantes a stylists começavam a se movimentar com graça e experiência. Cattleya até ficava um pouco apreensiva com o resultado dos seus concorrentes, o que poderia ser uma desvantagem para ela, mas no fim, ela acumulava coragem e começaria o seu “ataque” com tudo, mesmo que fosse para dá tudo de si e mesmo perdendo retornaria para o próximo teste com certa experiência, e quem sabe indicação...

Os cadetes que estavam ali para dá nota, ou seja lá como eles escolheriam avaliar aquelas apresentações, pouco se importavam com o que estava acontecendo. Na verdade, pareciam entediados e por serem cadetes, com certeza já viram diversas apresentações de rua em alguma de suas patrulhas na cidade. O olhar de todos era apreensivo e mesmo assim, todos persistiam no teste (menos o loiro e o moreno recém-chegado).

O fim da apresentação anterior resultou de um grande ninho no meio do campo, que era bem chamativo até, pois estava diante de uma forma que abrigava o mais gordinho e acanhado. A rosada também não deixava a desejar em nada e só somava habilidades. Cattleya, ainda persistente, resolvia apelar e usava o gordinho de parceiro. De começo, o rapaz de cabeços crespos não entendia grandes coisas, mas seguia os movimentos da loira, seguindo cada passo e tentando cantar, fazendo mais voz de fundo, que só fazia enfeitar a apresentação da loira.

Ao lado, o loiro com cara emburrada fechava a cara e só observava. O moreno batia palma, tão satisfeito com a apresentação quanto a rosada, que assoviava e tudo. Com o fim da apresentação de Cattleya, a jovem deixava o ninho de raízes de Bulbasaur e agora deixava o campo aberto.

- Agora é minha vez! – dizia a rosada

- Claro que não! Não sou palhaço de rua para fazer apresentações aqui... – dizia o loiro de cara fechada e já entediado.

- Qual é, cara?Tá legal e eles têm muita habilidade ... – respondia o moreno. O gordinho, que estava mais confiante anteriormente, voltava a se acuar dentro de sua raiz que parecia ser sua fortaleza.

- Qual é nada, eu vou vencer isso aqui e levar a licença... Chimchar, cave um lugar entre as raízes e caça o Bulbasaur com Scratch.

Parecia que o loiro resolvia acabar com a apresentação de todos e com seu inicial escolhido, queria começar uma batalha ali no meio. Parecia que estavam todos desgostosos com a atitude do jovem (ou ao menos assim demonstravam).


Chimchar pulava entre o ninho e em uma brecha que ele encontrava, cortava algumas raízes com suas garras, conseguindo entrar no ninho e deferir um golpe direto no grass. Aquilo pareceu não tão legal, principalmente para o bulbasaur que apresentava as marcas no rosto do golpe crítico.

- Ah... B-bulbasaur, faça alguma coisa

A voz do gordinho saia falhada e assim o gramíneo agia. Seu bulbo parecia inchar e dele saia várias sementes em campo. Chimchar saia correndo dali e de dentro do ninho várias sementes começavam a sair e cair no campo, abrindo-se e liberando uma pequena raiz que crescia velozmente e liberava ramos ao redor de tudo, envolvendo Piplup e o Mudkip. Tepig, no colo de Catleya, pulava para fora, procurando fugir de algumas raízes. A luz amarelada conduzia a energia dos iniciais do moreno e da rosada para Bulbasaur. Parecia um pouco de caos no teste, mas isso fez com que os cadetes saíssem do estado de inercia do campo...
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Seg 15 Ago 2016, 10:03

Viu o avanço do Chimchar contra o Bulbasaur e ficou pasma com a atitude agressiva que fora tomada em meio às apresentações. Em meio ao pânico, havendo dificuldades em lidar com o machucado que seu pokémon havia recebido, o rapaz que anteriormente havia dançado em conjunto, agora liberava alguns ramos para sugar a energia de dois monstros que ainda estavam em campo. Cattleya fugiu com Minch para o lado enquanto olhava sem acreditar muito no que ocorria.

- H-hey... Nós somos... Nós somos Stylists e não Gladiators... O que você está fazendo? - Olhou para o loiro enquanto ainda tentava engolir os ocorridos. Procurou Minch por alguns segundos, temendo que ela fosse envolvida no combate e assim que a achou, abaixou-se e a pegou no colo, abraçando fortemente com uma palma nas costas dela, dando sustento para que não caísse, ou se alguém viesse em sua direção, que não fosse tomada ou fosse com tudo no chão, prestando mais esforços para mantê-la em segurança do que a si própria. - Somos artistas de rua, circenses, trazemos beleza para todos de baixa a alta renda, não lutadores. O que... O que você escrever em "motivos"? Que quer brigar numa apresentação oficial e tomar o troféu de "mais legal" ou "mais esperto"?

Era horrível em dar xingamentos alheios (ainda mais com quem não conhecia), mas estava mais fazendo súplicas. Não queria invadir o espaço pessoal de cada e apartar a batalha dos pokémons ali mesmo, sabendo que em uma competição visual, teriam que usar tudo de si para mostrar ao público algo vibrante, mas não uma batalha um contra um, ou mesmo um Battle Royale, como era o que aparentemente acontecia ali.

Não queria mesmo usar de Minch para que lutasse contra o garoto que havia dançado e cantado com ela, a menina que dançava magicamente ou o rapaz que havia chegado atrasado. Eles talvez também partilhavam de seu desejo de manter-se em movimentação pacífica e seguindo um ritmo sonoro para maravilhar os desinteressados cadetes. Sua ideia era fazer um ciclo de uma, duas, três músicas para ver até onde aguentava cada um, levando-os aos seus limites na graça e nas artes, como aconteceria em um verdadeiro show, havendo apenas as pausas entre uma música e outra, apesar de ali ter que improvisar, fez seu melhor.

Minch era pequenina, tê-la em seus braços era como aninhá-la e trava a musculatura para garantir a segurança dela enquanto caminhava até os cadetes, que duvidava que iriam fazer algo para parar aquilo, visto que agora pareciam mais animados com o teste. Eles queriam o combate, queriam a guerra, uma pequena distração primitiva para os tempos conturbados, como uma batalha em arena fornecida por um regente para agradar a população mais pobre, de cabeça cheia do trabalho e o stress. Não tolerava aquilo, afinal, não se alistou para tal e não se importava em falhar no teste (poderia ser feito novamente sem custo, sem problemas), mas havia se apegado à porquinha. Tentou olhar nos olhos do maior, mas seus modos de intimidação eram piores do que imaginava, então ficou na frente dele, mas olhou para o menor e mesmo assim, mirou seu nariz e boca enquanto tentava falar da maneira mais direta e séria.


- Faça-o parar... Estamos aqui para nos tornarmos palhaços de rua licenciados. Não queremos lutar, queremos exibir a arte, maravilhar os outros e não machucar nossos pokémons enquanto ficamos na segurança, dando ordens. Eles são nossos amigos, companheiros e não máquinas de lutar. Façam alguma coisa... Eu imploro... Não deixem que se machuquem... Nas ruas, se isso ocorresse, essa seria minha primeira reação, chamar cadetes para que apartassem brigas sem sentido... Por favor... - Sua voz ficava mais presa na garganta na medida em que ia perdendo as esperanças por ajuda. Sentia-se um peso para todos ali e se fosse desclassificada, apenas estaria olhando para outro lugar enquanto aquela violência seguia. Não iria chorar (apesar da pressão que sentia no peito, as bochechas vermelhas em conjunto dos olhos marejados pelo desespero), mas tentava ser firme. O punho fechado tremia um pouco, assim como suas pernas pareciam bem mais fracas enquanto tomava a frente na situação.
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Seg 15 Ago 2016, 22:18

Tepig permanecia segura nos braços de Cattleya. A Pokémon parecia já ter gostado de sua treinadora e não queria que a mesma se ferisse, por isso o primeiro passo da pequena fire foi saltar para frente da aspirante. No entanto, batalhar não era o que a jovem loira queria. Sua ideia era fazer apresentações até “o último sobrar”, mas o loiro parecia disposto a acabar com toda o plano de Leya. Estava tudo indo tão bem até agora...

- Vocês são palhaços de rua... meu teste é para gladiador e eu não estou muito interessado nesse “mimimi” de vocês.

Parecia que os testes eram misturados e não só stylists ou gladiadores. Aquilo explicava a confiança do rapaz, que no momento estava mais preocupado em nocautear o primeiro Pokémon que visse. Enquanto isso, as raízes continuavam envoltos de Piplup e Mudkip, no entanto, a rosada e o moreno ajudavam seus Pokémons a se livrar e de longe era visto a força que empregavam para liberarem seus monstrinhos.

- Também fiz para gladiador, mas estava gostando das apresentações...- o moreno revelava que também era um aspirante a gladiador, mas diferente do loiro, ele não tentava impedir o teste.

A reação de Cattleya foi chamar os que estavam assistindo para poder contornar o teste. Os argumentos da menina eram sérios e bem convincentes, no entanto, eles não queriam muito ajudar. Ambos cadetes olhavam um para o outro e sorriam.

- As regras dizem que quem ficar em pé, leva. O jeito que vocês irão decidir para saber quem fica e quem vai não nos interessa, desde que não interrompem o teste. Se você ficar de fora, seremos forçados a considerar desistência. – respondia com uma voz de autoridade, frustrando toda a argumentação da loira.

- Acho bom você entrar no jogo também... – começava o loiro, para o moreno atrasado – O que você espera fazer? Uma apresentação para poder vencer? Você está fazendo um teste para gladiador, então haja como tal.

O loiro parecia demonstrar um pouco de mais confiança e suas palavras pareciam fazer efeito no moreno, que era alto e magro, porém com uma personalidade mais afável do que a do seu colega do lado. No fim, tanto o moreno quanto a rosada conseguiam livrar as raízes de seus Pokémons.

- Você tem razão... – apesar do moreno concordar com o loiro, sua reação era um pouco mais triste. – Foi mal gente, mas... Mudkip... Tackle.

O alvo do mudkip era o bulbasaur (talvez porque foram as sementes deles que o havia prendido). Enquanto isso, o loiro sorria vitorioso pelo parceiro de batalha que havia conseguindo e assim se voltava para a stylist.

- Está na hora da batalha! Chimchar, use Scratch! – apontava para a Pokémon nos braços de Cattleya.

Hora da Batalha
Condições da batalha: Pátio de chão liso, sem detalhes ou obstáculos.

º Don't stop me now º 498
Tepig ♀ - Lv.07 - Trait: Blaze
100%, Status: Normal
º Don't stop me now º 390
Chimchar ♀ - Lv.05 - Trait: Blaze
100%, Status: Normal
Vs.
º Don't stop me now º 1
Bulbasaur ♂ - Lv.07 - Trait: Overgrow
95%, Status: Normal
º Don't stop me now º 258
Mudkip ♂ - Lv.05 - Trait: Torrent
90%, Status: Normal
º Don't stop me now º 393
Piplup ♀ - Lv.07 - Trait: Torrent
90%, Status: Normal
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Seg 22 Ago 2016, 15:14

Sentia-se bem frustrada em não poder confiar nos cadetes que ali, pareciam apenas querer "sangue". Como os testes eram mistos, eles pareciam mais preocupados em emocionar o seu dia com um combate do que com uma pacífica apresentação. Eram difíceis de se impressionar ou apenas não tinham interesse pelas artes e sim, na barbárie que é uma briga acalorada entre os iniciais, que nem ao menos conheciam direito os seus possíveis donos e já teriam de lutar em defesa de um título para eles, consequentemente tornando-se um aliado no futuro, ou se fracassando, apanhando e tendo de lutar por outra pessoa num futuro próximo, algo bem desanimador, o que passou na mente da loira.

- Nós somos stylists e digo por mim, mas não sei lutar e tenho pouco interesse em tal. Lutem entre vocês dois, continuaremos nossas apresentações aqui... ok? - Sentia uma pressão no peito, o medo de errar, de achar que talvez as coisas já estivessem fora de alcance, impossível lutar contra. Se perguntava qual o motivo do rapaz achar que lutas eram superiores às apresentações, em um olhar público, pois parecia que queria tomar o controle do teste em um combate e todos deveriam se "curvar" diante tal decisão, mas não haviam motivos para tal. Haviam dois gladiadores que poderiam lutar um contra o outro, três stylists que permaneceriam de pé até cansarem e pronto, já tinham o "um" de pé, pois um era gladiador e outro, stylist, em sua cabeça, tudo parecia perfeito.

Aquele que compartilhava dos cabelos de mel, logo anunciava um ataque em direção da porquinha enquanto o outro que fazia o mesmo teste que ele, atacava o Bulbasaur. Vendo aqueles iniciais fazendo seus ataques sem contestar, aderindo a violência com tanta facilidade mudou um pouco o pensamento da garota, talvez eles não se importassem em combater, sem um líder definido, o importante era se movimentar em uma luta. Segurou firme Minch em seus braços e correu em direção do pokémon de grama e se jogou na frente dele, encolhendo-se de costas para o Mudkip e encarando o pequeno sapo, abraçado na sua de fogo. Não era seu, mas ele não estava fazendo o teste de gladiador e se pudesse, também o abraçaria para que não fosse atacado pela salamandra. Fecharia os olhos para aguentar melhor o ataque que receberia nas costas, mordendo o lábio para - tentar - não soltar um grito ou gemido de dor.

Seria desclassificada? Possivelmente. A dor que sentia em ter de abandonar Minch era algo que corroía por dentro, mas não lutaria de volta, pois em uma situação real, do lado de fora, os cadetes os parariam caso quisessem atacar os artistas (certo?). Não sabia direito como fazer uma batalha pokémon, o que possivelmente colocaria a pequena em mais perigo ainda, sendo um alvo frágil com uma líder de pouca experiência e conhecimento. Antes que os cadetes que coordenavam tudo ali fizessem alguma movimentação, abraçaria com força a porquinha e daria um beijo em seu focinho como despedida, esperando pelo pior enquanto se sentia totalmente inútil e injustiçada.

Talvez, quando conseguisse sua licença, andaria com algum gladiador por aí, apenas para ter certeza que teria alguém que a protegeria em situações semelhantes quando não houvesse um cadete (interessado) por perto, confiando mais um sword for hire bruto que eliminasse as ameaças do que em oficiais que decidiam o que era ou não. Poderia estar sendo meio dura com eles, não poderia julgar a todos pelo desleixo de alguns, mas era uma ideia que não saía de sua cabeça, até por própria proteção.
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Seg 22 Ago 2016, 23:31

Off: acredita que eu não recebi o email com a sua resposta? Se não fosse a Bella, não saberia que tinha respondido XD


Não estava nada favorável para Cattleya. A jovem manifestava a sua total indignação no teste, que no momento só caminhava para um final tortuoso. No momento, a jovem não queria prosseguir com a fúria de um teste que não lhe cabia e nesse momento, optava por impedir que até a pequena porquinha se intrometesse em campo. Ela não sabia e não queria lutar. A loira repudiava tais medidas e se lançava para poder defender a Pokémon, tentando resiste ao golpe, mal sabendo ela que um golpe desses poderia causar tanta dor na baixa resistência da loira que resultaria em uma eliminação...

Atrás de Bulbasaur, lá vinha os dois Pokémons. Chimchar pareceu ir ao embalo de seu mestre e avançava, pouco se interessando em quem atingiria. Como a ordem foi para atingir a Tepig, pouco importava para os cadetes quem se feriria, afinal, a ordem era contra um Pokémon, Cattleya se colocava na frente porque queria. Mudkip até hesitou um pouco, tentando acompanhar os comandos do moreno, que na sua cara não queria batalhar. A voz de Cattleya no encerramento do discurso pareceu seguir com o sentimento do trio stylist.

Quando Mudkip e Chimchar aproximou, um grito enorme chamava a atenção em campo, fazendo com que Mudkip e Chimchar recuasse em seus ataques. Todos os Pokémons ouviam o que tinham emergido do bico fino do Piplup da rosada. Ela pareceu disposta a seguir o teste artístico ao invés da luta.

- A loirinha tá certa... São três contra 2, se querem batalhar, batalhem entre vocês...

- Sim, e depois? Acha que iremos recuar? – o loiro contestava a rosada, sabendo que depois seria uma batalha contra algum stylist. Parecia um torneio... – Pouco me importa quem vou ter que derrubar primeiro, no momento, eu vou vencer...

- Você é um egoísta... Estava me usando para poder tirar vantagem do teste... Mudkip, Tackle no Chimchar.

Não demorava para que Mudkip agisse em campo com uma investida direto na cara do Pokémon macaco. A curta distancia favorecia a precisão do pokémon do moreno e com isso danos eram deferidos.

- Acho que o único que não estar pronto para vencer uma competição aqui é você... – dizia a rosada atlética, seguindo os sentimentos despertados por Cattleya. – Piplup, use Pound.

- Bulbasaur, Leech Seed. – a voz do gordinho surgia, bem baixa, mas disposta a ajudar no combate, enquanto isso, Cattleya assista os membros do teste tentarem defender a honra dos stylists.


Hora da Batalha
Condições da batalha: Pátio de chão liso, sem detalhes ou obstáculos.

º Don't stop me now º 498
Tepig ♀ - Lv.07 - Trait: Blaze
100%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 390
Chimchar ♀ - Lv.05 - Trait: Blaze
95%, Status: -1 Attack
Vs.
º Don't stop me now º 1
Bulbasaur ♂ - Lv.07 - Trait: Overgrow
95%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 258
Mudkip ♂ - Lv.05 - Trait: Torrent
90%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 393
Piplup ♀ - Lv.07 - Trait: Torrent
90%, Status: Normal
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Qui 01 Set 2016, 22:42

Esperava que machucasse o impacto do pokémon que lhe dava um encontrão, mas não que a desestabilizasse a ponto de quase cair sobre Minch e o Bulbasaur, batendo os joelhos contra o solo e a mão livre para não esmagar a ambos e no momento em que recebia o contato, apenas fechava os olhos e soltava um leve gemido de dor e assim que começava a absorver aquilo que certamente ficaria roxo mais tarde, ela abre um sorriso e a mão que antes estava no chão, agora passava na base do rosto do pequeno de planta, como que quisesse passar uma mensagem de que estava tudo bem, apesar de ambos saberem que não estava.

Iria ser acertada uma segunda vez, porém a garota de cabelos coloridos agora fazia seu movimento, limitando o ataque daqueles que foram pegos de surpresa. Tentou se levantar, mas sentiu uma fisgada na base de sua coluna e perdeu um pouco do fôlego, mantendo-se abaixada ainda até conseguir ficar sob os dois pés com perfeição (ou quase), ouvindo atentamente que a garota concordava com ela.


- Depois o vencedor tem a licença de Gladiador e o vencedor daqui, a de Stylist. Qual a parte disso você não entendeu que não estamos lutando pela mesma coisa? - Dizia virando o rosto rapidamente para ele, avermelhado pela dor do encontrão recebido e pela vergonha de estar sendo ali, o centro das atenção de pessoas que ela nem ao menos conhecia e incrivelmente, uma delas concordava com seus ideais.

Antes que se desse conta, todos começavam a atacar o loiro, como que querendo eliminá-lo dos testes ali mesmo, dando a chave da vitória para o outro que partilhava do mesmo teste. Quanto a eles, agora com uma nova liderança pela outra menina, prosseguiriam com as danças e cantos assim que tivessem acabado com o mais arrogante dentre eles. Talvez ele tivesse seus motivos, não sabe pelo que ele passou, mas também era inaceitável ser pisada daquele jeito.

Colocou Minch no chão, não para que batalhasse, mas para ter as duas mão livres e se abaixou um pouco, erguendo sua camisa a fim de avaliar os danos, pois mesmo que não fosse uma boa dançarina, qualquer dor eventual poderia atrapalhar até mesmo seu canto. Se doía em si daquela forma, imagine na pequena porquinha. Não que não confiasse nela, mas a última coisa que gostaria de fazer era vê-la machucada ou, no caso do loiro, ter três "inimigos" sobre ela, não dando muitas chances de reação. Sentia como se o pokémon dele estivesse sofrendo pelos crimes cometidos pelo "seu dono", sendo atingido por todos enquanto o maior apenas xingava a todos ali, menosprezando. Não que fosse a favor da violência e por causa dos erros dele, quem deveria apanhar era tal, achava que o pokémon apenas estava seguindo ordens cegamente, como talvez lhe fora ensinado a fazê-lo. Em meio às suas reflexões, acabou por se perguntar o que Minch pensava dela, apesar de parecer feliz, será que não a achava "grudenta" por tantos abraços e beijos? Ou será que não se sentia fraca/impotente por não lhe ser permitido batalhar? Talvez a estivesse mimando, não reconhecendo a real força dela. Tudo parecia errado naquele momento e queria mais era estar em seu quarto, em sua casa, livre daquele alvoroço todo.


- Minch... Me desculpe se eu não sou boa com pokémons... Eu não sei lutar, nem ao menos sei quais suas capacidades para tal. Sei que é de fogo, mas o que mais? Você gostaria de se juntar a eles? Ou me ajudar a preparar uma apresentação? Não a restringirei, deixo que você seja livre em suas escolhas, pois é isso que amigas fazem, não é mesmo? Não sou sua dona, mas sim, sua companheira. - Da mesma forma que apoiava aqueles outros aspirantes a Stylist, também o fazia com a pequena, não mais repreendendo a ela, se tais desejos dela fossem o do combate, pois assim faria o seu melhor em apenas gritar "fogo, fogo, fogo" pois desconhecia demais habilidades que ela poderia carregar. Se necessário, ajudaria os outros a acabar com o loiro e não mais que isso.
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Qui 01 Set 2016, 23:43

Era engraçado como algumas simples e sinceras palavras mudava todo o contexto de batalhas das pessoas ali viventes. No entanto, apenas de ter levado aos “parceiros” do teste ao encontro do mais irritante, Cattleya não se sentia à vontade para a batalha, talvez por não ser uma expert no assunto, ou por evitar de fato confrontos violentos. Não era a perspectiva de futuro dela e talvez não dos seus rivais aspirantes a stylist, mas diferente da loira, eles batalhavam.

- Mas é uma burra mesmo... Não ouviu que só há uma licença entre nós, seja gladiador ou stylist?

O loiro parecia nervoso, mas não perdia tempo em criticar a herdeira de Chermont ali naquele momento. Parecia que nada iria adiantar se ele não tivesse ali para vencer e levar a licença, mas seria difícil. Só havia uma licença ali para os cinco e seria daqueles que permanecerem de pé até o final. Era intrigante como aquele teste funcionava e era desvantajoso também.

Minch, ao ser colocada no chão, bufava uma brasa alaranjada de suas narinas. Parecia pronta para um combate, no entanto, com as palavras da aspirante a stylist naquele momento, ela não percebia quando sua senhora a chamava de amiga e aquilo pareceu ter um impacto para a Pokémon. Uma batalha atrás começava, enquanto a Tepig pareceu inclinar suas patinhas para a loira, como quem dissesse que “estava tudo bem”. Parecia que Tepig queria naquele momento proteger a loira de qualquer situação.

- Chimchar, saia daí e use o seu ataque contra seus inimigos. Vamos derrotar todos e levar a licença daqui.

Vários ataques ao mesmo tempo. Do alto se via a semente que o Bulbasaur havia expulsado de seu bulbo. Piplup seguia com sua pata pronta para o ataque, mas Chimchar conseguia desviar e ia de encontro contra o Tackle do Mudkip. Os golpes eram trocas com força e a semente do Pokémon grass abria-se sobre a cabeça do macaco, que se via envolvido pelas raízes do oponente, que começavam a emitir um brilho amarelado, sugando sua vida.

Enquanto isso, Minch parecia disposta a seguir o que sua parceira/amiga/senhora/mestra mandasse. A Pokémon fora criada pelos cadetes para seguir ordens, mas gostava da ideia de discutir com seu dono a melhor posição a se tomar. Mais uma nova leva de golpes era trocada no momento e no fim resultava em um Chimchar super cansado, um Mudkip pronto para o ataque, uma Piplup ofegante um Bulbasaur mais afastado do encontro deles.

Hora da Batalha
Condições da batalha: Pátio de chão liso, sem detalhes ou obstáculos.

º Don't stop me now º 498
Tepig ♀ - Lv.07 - Trait: Blaze
100%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 390
Chimchar ♀ - Lv.05 - Trait: Blaze
45%, Status: -1 Attack, sobre efeito de Leech Seed
Vs.
º Don't stop me now º 1
Bulbasaur ♂ - Lv.07 - Trait: Overgrow
100%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 258
Mudkip ♂ - Lv.05 - Trait: Torrent
80%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 393
Piplup ♀ - Lv.07 - Trait: Torrent
80%, Status: Normal
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Cattleya em Sex 02 Set 2016, 00:56

Talvez a loira tivesse entendido tudo errado mesmo. Olhou para os cadetes que ali estavam para ver se eles tinham alguma opinião, se confirmavam o que lhe era dito naquele instante. Gostaria de poder cavar um buraco e se enfiar naquele exato momento de vergonha (possivelmente alheia) que passava. Não queria ver se os outros também a achavam um pouco lenta de raciocínio, mas sentiu olhares fantasmagóricos em sua nuca, causando-lhe um frio em conjunto de um desconforto colossal. Poderia ter prestado mais atenção.

Contra a sua vontade, Minch parecia sim querer entrar no combate, mas como havia dito para ela, aceitaria as decisões dela, sejam quais fossem. Porém agora tremia um pouco, pois além da vergonha de ter entendido o processo da licença a ser recebida por apenas um deles, era uma completa estranha diante de uma batalha pokémon. Como havia dito para a menor, realmente só sabia que ela era de fogo e que sabia liberar tal elemento, mas de resto... Será que ela também sabia das encontrões? Cabeçadas? Patadas? Aquele grito usado anteriormente pelo Piplup. Não entendia nada de como funcionava aquilo tudo e teria que aprender na hora. Se falhasse, não se sentiria como uma principiante que tentou e não conseguiu simplesmente pelo fato de que havia muito em jogo e sabia, tinha quase que absoluta certeza que no momento em que começasse a ordenar ataques e defesas como uma general destreinada, com estratégias sendo completamente alienígenas para si, o que partilhava da cor dourada iria intimidá-la com suas palavras arrogantes e isso só a desestabilizaria mais. Engoliu em seco e se levantou com cuidado, colocando uma mão sobre o local machucado apenas para ter certeza que estava protegido.


- Minch! Use suas chamas contra o Chimchar! - Falava com certa força, parecendo saber o que fazia, jogando fogo em um pokémon do mesmo elemento. Talvez as brasas dela fossem mais fortes, quem sabe? O caso é que essa era a única habilidade que conhecia e no momento, a única que usaria. O impulso de vê-la ir ao combate era o mesmo de uma mãe que deixa a filha sozinha em casa, temia por muitas coisas naquele momento e ainda mais por si, por saber que não estava preparada para a tarefa, o que apenas reforçava a ideia de andar com um Gladiator após aquilo, já que do lado de fora, não teria (e não seria de) muita ajuda.

- Eu tive uma ideia... - Falava tentando chamar a atenção de geral. - Se há apenas uma licença, então o que nos nega de sobrar um Gladiator nesse combate de agora e depois os Stylists fazem suas próprias batalhas, como os palhaços de rua que somos, até sobrar apenas um. Para finalizar, há três pessoas que poderiam fazer um voto popular em quem foi o melhor combatente ou artista. É uma solução que fica a par de todos... Não? - Pensou na hora. Era simples até demais, só necessitava da cooperação do loiro, o que não esperava muito. O vencedor daquela batalha poderia descansar até os demais concorrentes fizessem suas apresentações e assim que apenas restasse um deles de pé, juntaria-se com o Gladiator e os três perdedores (palavra que sinceramente não gostaria de falar em voz alta) iriam votar, como não era um número par, poderiam facilmente decidir quem levaria a licença para casa, democraticamente. A ideia só seria estragada se aquele mais feroz viesse a não querer votar, emburrando-se e formulando votos separados, acarretando em empate. Suas ideias tinham um limite e estava chegando lá, pois estava usando tudo de si naquilo tudo, nas danças, cantos, combates, interações sociais, etc. Tudo parecia tão novo, coisas tão triviais e simples, gostaria de ser outra pessoa.

- Minch... Err... - Parou para pensar no que mais ela poderia saber e sem o conhecimento necessário, resolveu "ser uma ovelha", seguindo a maioria (o que lembrava uma história sobre um flautista que havia ouvido quando era pequena, mas não era o momento para ter tais pensamentos). Abaixou a cabeça e colocou a mão no queixo, matutando sobre os golpes já usados e se ela sabia algum em comum, também o faria. - Use... P-Pound...? - Falou mais fracamente, não sabendo se era realmente aquele o nome por realmente não ter prestado atenção de quando fora dito, mas tentava repetir o que Piplup havia feito anteriormente e se fosse necessário, pediria que fossem usadas mais chamas uma segunda vez, pois essa tinha coragem de falar abertamente.

Olhou para a garota cor-de-rosa em busca de apoio, não que ela lhe ensinasse alguma coisa, mas que lhe desse algum tipo de força como um "parabéns", "está indo bem" ou derivados. Logo em seguida mirou para o Bulbasaur que parecia não ter sofrido ataque algum em seu rosto, talvez graças às sementes que ele havia jogado, indo para o seu dono, o que diferente de qualquer momento, não abria um sorriso para ele, apenas o encarava um pouco como quem quer falar algo, mas é melhor não fazê-lo. Inesperadamente, fitou o moreno, que torcia para que ele conseguisse vencer aquele combate e se não ganhasse/aceitassem sua ideia de votação, talvez ele recebesse o seu voto como melhor combatente, como se o as estratégias usadas ali fossem superior as apresentações do Stylist vencedor, porém, isso só seria visto mais tarde, quando todos terminassem. Talvez fosse ser muito otimista achar que todos seguiriam suas ideias e devesse se focar no "agora".
Cattleya
Cattleya


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Ayzen em Sex 02 Set 2016, 19:43

Cattleya se perdia no meio da confusão. Havia entrado ali na perspectiva de receber uma licença para stylist, competindo contra stylists. Naquele momento, eram stylists e gladiadores, o que forçava a loira a batalhar, pelo menos naquele momento, para conseguir um pouco de chance de encontrar um caminho para a licença. Os cadetes nem se manifestavam na confusão que se alastrava e tudo aquilo era um terreno perfeito para poder guiar a menina a ter a certeza de que será um fardo passar por aquele processo seletivo.

A tepig de bochechas grandes queria seguir o que a sua senhora ordenava. Como Cattleya não queria batalhar, a pokémon não ia entrar em luta desnecessária, mesmo indo contra seu treino e instinto, mas quando a loira manifestou uma possibilidade de um golpe, a cauda da fire agitava-se e ela saltava lançando várias faíscas alaranjadas que seguiam na direção de Chimchar, causando certo dano, porém não muito alto. Fire era resistente a fire.

- Acho uma boa ideia.

A rosada se manifestava, como quem queria resolver aquilo com a menor possibilidade de seguir para um confronto, mas no fim, ela tinha as suas convicções. O loiro não se alterou muito, assim como o gordinho. O moreno queria a cabeça do parceiro aspirante a gladiador. Parecia que o teste estava mais tenso.

- Fofa, você tem um Tepig... é um tipo fire que no futuro pode virar um fire e fighting, ou seja, lutar está no sangue dela. Ela possui três técnicas básicas: Tackle, Tail Whip e Ember, mas pode aprender várias outras... Deixe com a gente.

A rosada sabia que Cattleya era uma ótima stylist, mas não tinha nada de gladiadora. Naquele momento, ela queria levar o combate para mais longe. O moreno continuava zangado por ter sido manipulado pelo rapaz que estava ali, enquanto no fim ele apenas manifestava seu olhar torto.

- Por favor, larguem de idiotice. Quer mesmo que eu vote? Voto em vocês fora daqui para que eu receba a licença.

Chimchar parecia entender a vontade do seu mestre. Naquele momento estava pronto para prosseguir no combate, mesmo sem vantagem. O macaquinho desviava do golpe de Bulbasaur, que era um Tackle, enquanto era interceptado pelo golpe do pinguim, que acabava interceptando o avançar de Chimchar em campo. Logo depois o grass do campo interagia de modo abrupto, lançando novas sementes, que se abriam e mais raízes no campo, que envolviam o corpo do macaco e o prendia no alto, enquanto Mudkip, que recebera um recém scratch do fire, deferia um Tackle no Pokémon macaco, que se desprendia de algumas raízes e voltava para o solo, atacando o water. A troca de golpes era incrível e tudo novo demais para a loira.

Depois de tudo, Chimchar estava em seu limite, mas como alguém que tem sangue de um lutador, mantinha-se em pé, graças a sua habilidade especial Blaze, que além de garantir efetividade maior com golpes de fogo, dava um novo vigor para o pequeno macaco. Mas bastou as raízes ao redor de seu corpo emitir um leve brilho amarelado para as últimas energias do fire estarem sendo direcionado para o bulbasaur ali, o que deixou a batalha para uma grande finalização.

- Seus... Vocês vão me pagar... – a declaração do loiro era de alguém que não sabia perder. Ele saia dali deixando a pokébola no chão, e o macaco também.

- Odeio caras assim. – dizia o moreno, falando baixo, depois que tudo havia finalizado. – Pessoal, acho que esse teste não é para mim. Não acho justo misturarem gladiadores e stylists, mas vocês deram um show. Perdão pelo caos que causei. Eu desisto.

A última parte foi para os cadetes. No fim, tinha apenas os três aspirantes a stylist que ainda estavam de pé, o que significava que o teste não acabou ainda. Com o ginásio limpo de possíveis gladiadores, a prova deveria continuar. Chimchar continuava no chão ferido, sem forças para se levantar.

Hora da Batalha
Condições da batalha: Pátio de chão liso, sem detalhes ou obstáculos.

º Don't stop me now º 498
Tepig ♀ - Lv.07 - Trait: Blaze
100%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 390
Chimchar ♀ - Lv.05 - Trait: Blaze
0%, Status: Fora de combate
Vs.
º Don't stop me now º 1
Bulbasaur ♂ - Lv.07 - Trait: Overgrow
91%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 258
Mudkip ♂ - Lv.05 - Trait: Torrent
60%, Status: -1 Attack
º Don't stop me now º 393
Piplup ♀ - Lv.07 - Trait: Torrent
76%, Status: Normal
Ayzen
Ayzen


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Alice em Qui 20 Out 2016, 16:59

Rota bloqueada por inatividade.
Em caso de retorno, poste em pedidos solicitando a reabertura.
Alice
Alice


Voltar ao Topo Ir em baixo

º Don't stop me now º Empty Re: º Don't stop me now º

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum